Publicis responde à polêmica da cólica

Buscar

Comunicação

Publicidade

Publicis responde à polêmica da cólica

Após críticas em relação ao tom utilizado para apresentar o medicamento Novalfem, agência e marca se explicam; campanha será reavaliada

Bárbara Sacchitiello
10 de junho de 2015 - 3h34

Atualizada às 19h07

Na mesma semana em que colocou no ar a campanha do analgésico Novalfem, a Publicis teve de vir a público para responder à polêmica gerada pelo tom que utilizou para se referir às dores e desconfortos causados pelas cólicas.

A saia-justa enfrentada pela agência atingiu seu ápice nesta quarta-feira, 10, quando muitas pessoas usaram as redes sociais para criticar o tom da campanha feita para o medicamento do laboratório Sanofi. Para apresentar o Novalfem como um aliado das mulheres que enfrentam cólicas menstruais, a Publicis criou um clipe, estrelado pela cantora Preta Gil. No filme, chamado #SemMimimi, diversas mulheres aparecem em situações divertidas e confortáveis, enquanto a cantora alerta que o medicamento chegou para ajudar as mulheres se sentirem bem e acabar com o “mimimi” (no caso, as dores e desconforto das cólicas).

A resposta da web veio rápida. Diversas mulheres – e também homens – criticaram o suposto menosprezo da campanha em relação aos problemas de saúde femininos, acusando a marca e a agência de compararam as cólicas menstruais a frescuras ou a perturbações sem importância.

Em resposta às críticas, a Publicis Brasil postou, em sua página oficial no Facebook, um esclarecimento em relação à campanha. “Nosso objetivo com a campanha de Novalfem é ajudar as mulheres que sentem dores leves e moderadas a conseguir manter a rotina e aliviar o desconforto, usando um tom leve para falar de um assunto sério. Em nenhum momento, tivemos a intenção de minimizar as dores das mulheres ou de ofender quem sofre com doenças e problemas mais graves, para os quais a consulta a um médico é sempre aconselhada.”, disse a agência.

A resposta, no entanto, parece não ter convencido. Em resposta a essa mesma publicação, já foram postados dezenas de comentários que reforçam as críticas ao tom da campanha e que consideram a resposta da agência insatisfatória e desrespeitosa.

Marca irá reavaliar a campanha
No início da noite desta quarta-feira, 10, a marca Novalfem entrou em contato com a reportagem de Meio & Mensagem para se posicionar acerca do assunto. A marca reforça que "dor é coisa séria, independente do tipo ou da intensidade" e que em nenhum momento a pretensão foi subestimar as dores ou desconfortos femininos. A Novalfem ainda diz que, devido às manifestações, decidiu reavaliar a campanha. Leia a íntegra do comunicado do medicamento:

"Para a Novalfem, a dor é coisa séria, independentemente do tipo ou da intensidade. Considerando que a marca foi desenvolvida para proporcionar alívio às dores de cabeça, cólicas menstruais e enxaqueca, de leve à moderada intensidade, a proposta da campanha ‘Sem Mimimi’ foi abordar, de maneira mais leve, alguns desconfortos que as mulheres vivem, valorizando inclusive sua vontade de superá-los. Acatamos as opiniões publicadas e esclarecemos que, em nenhum momento, se pretendeu subestimar o impacto dessas dores ou desrespeitar quem as sente. Em consideração às pessoas que manifestaram à sua insatisfação, a Novalfem decidiu reavaliar a campanha."

O comercial, no entanto, não foi retirado do ar. A marca deve, em breve, comunicar as mudanças que serão realizadas na campanha. Assista ao comercial: 

wraps

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”