Quem está por trás dos carrinhos de supermercado gigantes

Buscar

Comunicação

Publicidade

Quem está por trás dos carrinhos de supermercado gigantes

Intervenção urbana do artista Eduardo Srur é uma ação do aplicativo HomeRefill para divulgar sua plataforma de e-commerce que faz uso do conceito de compra consciente

Bárbara Sacchitiello
15 de setembro de 2016 - 9h49

Carrinho-Gigante

Um dos carrinhos instalados nas ruas de São Paulo: obras tiveram a intenção de chamar a atenção para o consumo na sociedade (Crédito: Divulgação)

Desde a semana passada alguns carrinhos de supermercado de tamanho gigante foram instalados em algumas ruas e avenidas de São Paulo. As peças foram produzidas pelo artista plástico Eduardo Srur, que já assinou outras intervenções urbanas pela cidade. De acordo com o próprio artista, a ideia da intervenção é provocar uma reflexão sobre consumo e desperdício.

O que os moradores de São Paulo não sabiam é que a exposição de carrinhos gigantes é parte da campanha “Encoste o carrinho”, desenvolvida para o lançamento do HomeRefill, um site e aplicativo de e-commerce que propõe a venda de alimentos e de itens de necessidades básicas de acordo com a real necessidade das pessoas.

“O carrinho funciona como um alerta, uma provocação. Imagine se você pudesse comprar um carrinho deste tamanho, quantas coisas estragariam na sua casa enquanto outras pessoas estariam sentindo falta dos mesmos produtos?”, questiona Guilherme Aere dos Santos, idealizador e CEO da plataforma Home Refill. Segundo ele a ideia de apresentar a proposta da empresa por meio de uma intervenção artística visa levar a sociedade a questionar seus próprios hábitos de consumo. “Queremos abordar um tema social para que todos possam refletir exatamente sobre qual o problema com o consumo no mundo”, reforça.

Criada em 2015, a plataforma HomeRefill se propõe a ser uma ferramenta de auxílio às compras domésticas. Ao acessar a página, a pessoa responde a uma série de perguntas com base em seu lar e seus hábitos cotidianos: quantas pessoas moram na casa, quantas refeições são feitas no ambiente do lar, etc. A partir daí, a plataforma auxilia o usuário a criar uma lista de compras com a quantidade exata de alimentos que será necessária por um determinado período.

Por meio de parcerias com empresas e marcas de alimentos, a Home Refill consegue comprar diretamente das fábricas e não de vendedores intermediários (supermercados e hipermercados). Em um prazo de sete dias a pessoa receberá os itens em sua residência. Feita a primeira compra, o aplicativo começa a monitorar o consumo daquelas produtos, enviando lembretes a respeito da necessidade da próxima compra.

Home-Refill-Pagina

Com base no perfil de cada usuário, página se propõe a ajudar a criar uma lista e comprar itens essenciais para o consumo (Crédito: Reprodução)

O preço de cada item é estipulado de acordo com uma média do valor cobrado por aquele produto nas grandes redes de supermercado naquele dia. A esse montante, são acrescentados os custos de entrega e o lucro da plataforma. Por esse modelo, portanto, é possível que os preços da Home Refill sejam, em alguns casos, até mais altos do que os praticados nos varejistas tradicionais.

Não é no preço, no entanto, que a empresa planeja destacar seu diferencial. “Acreditamos que a previsão do estoque ideal para abastecer a sociedade deva ser exata ou bem próxima disso. Nossa proposta é oferecer para as pessoas um modelo natural para que separem sua rotina de compras entre o que é essencial do restante”, explica Guilherme.

Além dos carrinhos gigantes nas ruas, a marca também começa a expor a plataforma nas redes sociais e páginas da internet a partir dessa semana. Por conta de uma ferramenta de geolocalização, algumas pessoas que passaram em pontos da cidade que possuem as instalações começarão a ver anúncios da Home Refill. “Iremos continuar apresentando nosso propósito e funcionamento de um jeito nítido para a sociedade”, finaliza o CEO.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Eduardo Srur

  • Guilherme Aere dos Santos

  • HomeRefill

  • arte

  • Consumo

  • sociedade

  • Compras

  • Intervenção

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”