Os prós e contras de trabalhar fora do Brasil

Buscar

Comunicação

Publicidade

Os prós e contras de trabalhar fora do Brasil

Criativos que vivenciaram uma experiência internacional e retornaram para compor a equipe de grandes agências do País falam sobre vantagens e desafios de mostrar talento em terras estrangeiras

Bárbara Sacchitiello
14 de novembro de 2017 - 8h13

Colocar uma experiência internacional no currículo é o sonho de muitos profissionais. Com a visibilidade que o Brasil teve no cenário internacional nos últimos anos – e também com a boa reputação que a propaganda nacional possui mundo afora – as portas de agências e empresas criativas se abriram para os profissionais do País.

Para compreender as vantagens e, também, conhecer os maiores desafios de quem decidiu deixar seu País para trás para trabalhar e criar em outros mercados, a reportagem de Meio & Mensagem conversou com alguns profissionais de criação que viveram uma experiência internacional e, posteriormente, voltaram ao Brasil para aplicar por aqui um pouco do conhecimento adquirido em outros mercados. Confira alguns depoimentos:

 

Bruno Oppido (Crédito: Arhur Nobre)

Bruno Oppido, diretor de criação da Wieden+Kennedy SP
“Viajava todo ano para Nova York e tinha o sonho de morar lá. Em 2015 trabalhava na F/Nazca e após a agência ter conquistado o Grand Prix de Film, surgiu a oportunidade de trabalhar na DDB, de Nova York, junto com o Ícaro Doria. Era a chance de viver na cidade que sempre sonhei, trabalhando ao lado de profissionais que admirava. O trabalho lá fora, no entanto, é diferente. Você pode ser o cara mais premiado do Brasil, mas quando vai trabalhar para os gringos, tem de começar do zero. O que mais senti diferença foi em relação aos processos criativos. As pessoas passam mais tempo apegadas à burocracias e a etapas do que criando, de fato. Mesmo assim, a experiência foi ótima e planejava ficar três anos lá. Só voltei porque a oportunidade de vivenciar a criação da Wieden+Kennedy aqui era incrível.”

Claudio Lima (Divulgação)

Claudio Lima, vice-presidente de criação da Ogilvy

“Mudar de País não é como mudar de bairro. É uma mudança que envolve diversos aspectos da vida. Mas, quanto mais a gente vê o grande fluxo de profissionais que vai e volta, passa a ver essa movimentação como algo normal. Já fui e voltei três meses. E o que de melhor guardo dessa experiência são as redes de contato que fiz nos mercados dos Estados Unidos e de Portugal, por exemplo. Há uma grande demanda por criativos brasileiros no exterior. Nós valorizamos a profissão como nenhum outro país do mundo e isso passa a ser valioso em muitos mercados. O que pode frustrar o criativo brasileiro que vai para fora é a velocidade do trabalho. Aqui, é normal criar 20 campanhas por anos. Nos Estados Unidos, se o profissional cria duas, ele já pode considerar que teve um ano ótimo. Mesmo assim, a troca cultural resultante desse intercâmbio é benéfica para o mercado de todo o mundo. O único ponto negativo é a fuga de talentos. Os profissionais mais jovens já começam a carreira vislumbrando cargos no exterior.”

 

Fábio Simões (Crédito: Divulgação)

Fabio Simões, diretor executivo de criação da FCB Brasil
“Saí da F/Nazca em 2010 após ter passado dez anos na agência. Achei que era um bom momento para viver uma experiência internacional e fui trabalhar na Saatchi & Saatchi, de Los Angeles. Por mais que eu já tivesse até morado fora antes, quando comecei a trabalhar com os americanos foi um choque. A forma do trabalho de criação é muito diferente. Aqui as equipes fazem tudo: layouts, ilustrações, animações, filmes. Lá eles se apegam bem mais aos conceitos e ao desenvolvimento das ideias. As pessoas ainda têm a ilusão de que o trabalho no exterior é muito melhor. Pensam que a agência é mais legal, que as verbas são maiores e que vão trabalhar menos. Boa parte disso é ilusão. Os salários realmente são mais altos mas o custo de vida também é mais elevado. Os quase quatro anos que passei lá me deram uma outra visão para a carreira e me fizeram ter mais objetividade e organização.”

 

Laila Bergamasco (Crédito: Divulgação)

Laila Bergamasco – gerente de conteúdo da Fbiz
“Em 2009 consegui ingressar em um mestrado no exterior que era ministrado em dois locais: Inglaterra e França. Então, conheci a parte acadêmica e também trabalhei na Europa como trend hunter, prestando serviço para agências brasileiras em outros mercados. Ao todo fiquei cinco fora do Brasil e a principal diferença que notei foi a diferença de patamar da evolução digital. Enquanto começávamos a compreender o Facebook aqui no Brasil, na Inglaterra já se discutia sobre as próximas redes sociais. O que mais essa experiência me ensinou foi o exercício da adaptação. Aprendi a conviver bem com as mudanças e a olhar para o cotidiano com a visão de estrangeira, tentando observar as particularidades e diferenças. Quando retornei ao Brasil, em 2014, já tinha uma visão criativa mais integrada e via a necessidade de as agências terem um modelo mais fluido. Queria aplicar várias ideias que tinha visto no exterior mas, muitas vezes, não encontrava tecnologia disponível. Mas acho que a experiência de conhecer outros mercados é incrível. Tanto é que minha ideia é passar alguns anos por aqui para, depois, levar um pouco da visão do Brasil para fora outra vez”.

 

Marco Monteiro (Crédito: Divulgação)

Marco Monteiro, diretor de criação da FCB Brasil
“Trabalhar fora do Brasil funcionou como um MBA para mim. Após ter conhecido o lado de lá, passei a ver no Brasil um encantamento e uma paixão por propaganda que não existe em outros lugares. O que mais admirei dessa experiência internacional é o apreço deles pela organização. Nada é feito no improviso. Por outro lado, contamos no Brasil com um jogo de cintura diferente para resolver questões de forma mais dinâmica. Mas, trabalhar em Los Angeles foi algo que me trouxe diversos conhecimentos. Estive próximo fisicamente de grandes empresas como Google, Facebook, Snapchat e pude conhecer de perto como eles trabalham e funcionam. É uma experiência incrível, mas recomendaria que, aqueles que pensam em ir, também pensem em voltar para aplicar por aqui os conhecimentos adquiridos. Afinal, o Brasil sempre será o nosso País.”

 

Ricardo Figueira (Crédito: Divulgação)

Ricardo Figueira, diretor executivo de criação da Africa

“Após ter vendido a AgênciaClick, decidi que era o momento de ir para fora ampliar os horizontes e conhecer outros mercados. Fui para a Isobar de Londres e acabei ficando sete anos fora. Ser criativo no Brasil e na Inglaterra é como exercer duas profissões diferentes. É como se lá eles jogassem tênis e, aqui, nós jogássemos ping pong. Mas isso não significa que um mercado seja melhor do que outro, mas que são bastante diferentes. A própria senioridade do mercado inglês me chamou atenção. Na minha equipe, tinha profissionais de criação com 67 anos. Isso já representa uma diferença de experiência e de tradição enormes em comparação com o mercado brasileiro. Na Europa o processo criativo é mais concentrado no ato de pensar e menos na ação. Além disso, viver na Inglaterra traz a possibilidade de estar em uma sociedade diferente e mais estruturada para criar filhos e família. Mas é importante ter uma experiência como essa para compreender as melhores características dos dois mercados. É muito interessante trabalhar em um mercado em que todos os trabalhos que você faz vão parar na Campaign. Mas, também, não há nada igual a produzir em ritmo mais acelerado e gerando diversos tipos de impacto, como no Brasil.”

 

Wilson Mateos (Crédito: Divulgação)

Wilson Mateos, vice-presidente de criação da Leo Burnett Tailor Made
“A ideia de sair do Brasil ainda está ligada ao desejo de encontrar clientes mais evoluídos e processos mais fáceis. E como nossa mão de obra é mais barata para outros mercados, muita gente se encorajou a tentar. Durante o tempo em que vivi em Los Angeles recebia, semanalmente, pedidos de ajuda de colegas que queriam um emprego lá fora. Nesses casos, fazia questão de explicar que morar fora do Brasil é bem diferente do que trabalhar em uma agência com outra lógica de mercado. Obviamente, a segurança, o padrão de vida e o retorno financeiro que a experiência internacional trazem são muito melhores. Além disso, você trabalha com clientes fantásticos e tem à disposição os melhores profissionais de produção do mundo. Por outro lado, as diferenças culturais fazem com que você não tenha repertório para falar de assuntos comuns àquela população, como futebol americano, por exemplo. O relacionamento interpessoal é muito diferente, também. No Brasil, criamos amizade e nos divertimos trabalhando. Nos Estados Unidos, as pessoas são apenas colegas de trabalho”.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Agencias

  • Carreira

  • Internacional

  • mercado

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”