Sorrell vence embate com WPP e compra MediaMonks

Buscar

Comunicação

Publicidade

Sorrell vence embate com WPP e compra MediaMonks

Com sua nova empresa, a S4 Capital, executivo fecha sua primeira aquisição após ter deixado a holding de comunicação

Bárbara Sacchitiello
10 de julho de 2018 - 9h10

Sorrell é o novo proprietário da produtora com base na Holanda (Crédito: Eduardo Lopes)

Atualizada às 13h11

Martin Sorrell saiu vitorioso no primeiro embate travado contra sua ex-empresa, o WPP, na indústria da comunicação. Nesta terça-feira, 10, a S4 Capital, nova empresa criada por Sorrell e a MediaMonks bateram o martelo. Por cerca de 300 milhões de euros, segundo o The Guardian, Sorrell passa a ser dono da produtora de origem holandesa.

A aquisição da MediaMonks é a primeira da nova era independente de Sorrell, que deixou o grupo WPP em abril após ser alvo de investigações a respeito de possível má conduta pessoal. O executivo negou veementemente as notícias e, em junho, durante o Cannes Lions, anunciou oficialmente a S4Capital, empresa voltada à aquisições de companhias da área da publicidade.

A negociação pela MediaMonks colocou em disputa direta Sorell e o grupo WPP, de acordo com informações do The Guardian. Ambos fizeram ofertas pela aquisição da produtora e a holding teria enviado até um comunicado ao seu ex-CEO alegando que ele estava sendo desleal na disputa por conta de acordos de confidencialidade firmados com o WPP. Apesar do aviso, Sorrell seguiu na disputa e fechou negócio.

“Isso representa um passo significativo na construção de uma nova era, uma plataforma de agência digital para os clientes”, declarou oficialmente Sorrell, fazendo uso do título de “sênior monk”. O trabalho da Media Monks é estruturado em mídia digital, dados, conteúdo e tecnologia. “Nossos próximos movimentos serão a construção completa dessa plataforma, adicionando análise de dados e compra de mídia digital. A companhia será unitária, com a MediaMonks como núcleo”, declarou Sorrell.

A negociação de venda da MediaMonks foi realizada pela Clarity Corporate Finance e, pelas regras estabelecidas, não haverá um período de earn-out para os fundadores da companhia (prazo geralmente estabelecido para que os líderes da empresa comprada concluam a transição e deixem a companhia). Na opinião de Sorrell, a ideia do earn-out é errada e não combina com a ideia da S4 Capital de criar uma estrutura integrada.

A MediaMonks conta com onze escritórios pelo mundo (incluindo um em São Paulo) e emprega mais de 750 funcionários. No Brasil, a empresa chegou oficialmente em 2016, ao adquirir a Cricket. Assim que adquiriu a companhia, Sorrell já enviou uma mensagem direta aos colaboradores da MediaMonks, que foi postada no perfil oficial da empresa no Instagram. Veja:

Welcome, Sir Martin!

A post shared by MediaMonks (@mediamonks) on

 

Comunicado oficial
Em declaração oficial, a MediaMonks trata a negociação como uma fusão e deixa claro que, em vez de vendida, na verdade está “comprando” também a parceria da S4 Capital. “Estamos orgulhosos de confirmar que a MediaMonks uniu forças com a S4 Capital. A fusão representa um movimento pioneira na indústria criativa para a comunicação da próxima geração”, diz o comunicado oficial da companhia.

Victor Knaap, CEO da Media Monks, disse que sua empresa “vem de origem humilde: começamos em um porão e nos tornamos 750 ‘monks’ em todo o mundo. Com essa fusão, tenho o privilégio de moldar o futuro da indústria criativa ao lado de um homem com uma reputação de sucesso nos negócios sem precedentes. Não estamos vendendo nada, mas sim comprando”. frisou.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Martin Sorrell

  • MediaMonks

  • S4 Capital

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”