MP mobiliza mercado em campanha sobre violência sexual

Buscar

Comunicação

Publicidade

MP mobiliza mercado em campanha sobre violência sexual

Criada pela Y&R com apoio da Abap, iniciativa divulga Lei do Minuto Seguinte, que prevê atendimento obrigatório e integral a vítimas

Isabella Lessa
8 de novembro de 2018 - 6h00

(Crédito: Divulgação)

Ao constatar que há muito desconhecimento sobre a existência da Lei 12.845/2013, que determina o atendimento obrigatório a vítimas de estupro, o Ministério Público Federal de São Paulo (MPF/SP) resolveu acionar o mercado publicitário para disseminar a conscientização em torno do artigo e do que ele representa.

A comunicação Lei do Minuto Seguinte é resultado da mobilização do ministério junto à Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap), e pretende garantir que todo brasileiro que sofreu violência sexual receba pronto atendimento gratuito. O nome da campanha, criada pela Y&R, dá nome e personifica a lei cujo intuito é justamente garantir que as vítimas sejam socorridas nos hospitais e, além disso, alerta para um problema de grandes proporções para o País: a cada minuto, uma pessoa é estuprada em território nacional, de acordo com estimativas do Ipea.

Em 2016, a entidade registrou mais de 49 mil casos de estupro. Já em 2017 foram mais de 60 mil casos, segundo pesquisas do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, ou seja, uma vítima a cada 10 minutos. Porém, aponta o Ipea a estimativa é de que haja uma subnotificação de 90% das ocorrências, daí a estimativa de que há um novo caso de violência sexual a cada minuto. Em torno desse dado gira a mensagem do principal filme da campanha, cuja locução foi feita pela apresentadora Marília Gabriela e que contou com produção da Cine.

“O essencial é que tinha de ser informativo e didático, pois estamos falando com todas as classes sociais, de todo o País. E trata-se de uma notícia boa e importante, sobre uma lei que atende vítimas de estupro. É quase didático. Pois informa as pessoas sobre o que fazer, sobre ir ao posto de saúde do SUS, e que a medicação precisa ser tomada na hora”, explica Laura Esteves, diretora de criação da Y&R que coordenou toda a criação da campanha junto a um time da agência composto principalmente por mulheres.

A campanha toda, aliás, foi feita 100% de forma voluntária, da concepção e execução das peças à veiculação.
A mídia OOH será instalada em locais de maior ocorrência de estupro e irão desempenhar um papel maior do que somente transmitir a mensagem da campanha em si: iluminarão o caminho dos pedestres em horários estratégicos de pouco movimento.

No digital, banners serão expostos por 24 horas no formato looping, nos principais sites do País. A cada minuto, uma nova vítima em uma situação específica – banheiro de faculdade, rua, em casa – será a protagonista da peça. No site da campanha, há um canal de denúncia por meio do qual a vítima pode registrar queixas, caso não tenha sido atendida ou se o atendimento foi inadequado.

Além disso, o Facebook disponibilizará a seus usuários um cover, ou seja, um tema para foto de perfil do usuário relacionado à campanha. A população também poderá manifestar seu apoio à Lei do Minuto Seguinte compartilhando sua foto com a hashtag #leidominutoseguinte.

E, no dia 25 de novembro, Dia Internacional Da Não-Violência Contra a Mulher, será lançada uma estátua dos mil rostos: uma escultura com corpo feminino e rostos que se alternam a cada minuto, representando as vítimas de violência sexual.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Abap

  • Y&R

  • Ministério Público

  • violência sexual

  • Lei do Minuto Seguinte

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”