Fusão entre Pfizer e Allergan fracassa

Buscar
Pfizer_Allergan_1600

Marketing

Publicidade

Fusão entre Pfizer e Allergan fracassa

Negócio de US$ 150 bilhões foi dissolvido, segundo o The Wall Street Journal

Roseani Rocha
7 de abril de 2016 - 14h48

 

Pfizer_Allergan_575

Em novembro, a americana Pfizer (fabricante do Viagra) e a irlandesa Allergan (que produz o Botox) haviam anunciado um acordo de fusão, no que criaria a maior empresa farmacêutica do mundo. O modelo seria o de uma fusão reversa, na qual a jurisdição fiscal da Pfizer seria transferida dos Estados Unidos para a Irlanda, onde a empresa pagaria menos impostos.

Agora, no entanto, o mesmo The Wall Street Journal que anunciou a transação afirma que o negócio de cerca de US$ 150 bilhões foi dissolvido, por enfrentar oposição radical do Departamento do Tesouro americano.

As duas empresas, a partir de agora, irão em busca de novos alvos com o objetivo de aumentar receita e funcionar como novas fontes de crescimento. Por conta do cancelamento do negócio, a Pfizer indenizará a Allergan em US$ 150 milhões.

A Pfizer, que hoje vale US$ 200 bilhões, tem intenção de dividir a companhia. Já a medida de uma inversão fiscal, com aquisição de uma empresa estrangeira, com intuito de reduzir a quantidade de impostos a pagar, já havia sido tentada há não muito tempo: em 2014, a companhia tentou adquirir a inglesa AstraZeneca.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • allergan

  • pfizer

  • botox

  • viagra

  • aquisicoes

  • fusoes

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”