Filas e brigadeiros: a receita da Carlo’s Bakery

Buscar

Marketing

Publicidade

Filas e brigadeiros: a receita da Carlo’s Bakery

Apoiada no carisma de Buddy Valastro, rede de confeitarias revela planos de expansão no País

Bárbara Sacchitiello
16 de fevereiro de 2017 - 12h00

Buddy-Visita

Buddy Valastro veio ao Brasil para a abertura da loja, a primeira fora dos Estados Unidos (Crédito: Divulgação)

Desde o final do ano passado, a região da rua Bela Cintra (no bairro dos Jardins, em São Paulo) passou a ter os espaços da calçada disputados por um grande grupo de pessoas ávidas por doces e selfies. Amparada quase que totalmente no carisma e popularidade de seu dono – o confeiteiro Buddy Valastro – a Carlo’s Bakery escolheu a capital paulista como o primeiro ponto internacional da expansão da rede de bolos e doces.

Depois de quase dois meses funcionando em um esquema de soft-opening – estratégia também utilizada como um chamariz para o público – a Carlo’s Bakery iniciou oficialmente suas operações no País neste mês, produzindo mais de 4 mil unidades de doces por dia.

Ao contrário do que é possível supor quando se pensa em uma confeiteira, os itens açucarados que figuram nas prateleiras da loja não são o principal atrativo da rede norte-americana. “As pessoas que enfrentam mais de uma hora na fila para entrar na loja não querem simplesmente comer um doce, mas sim desfrutar de uma experiência única. O Buddy conquistou um público extremamente fiel e carinhoso e que, agora, se sentem mais próximos dele ao visitar à loja e experimentar seus produtos”, analisa Marcos Kherlakian, empresário que lidera a operação da Carlo’s Bakery no Brasil.

Cannoli-Buddy

Cannoli é o item mais popular da loja (Crédito: Divulgação)

De Nova Jersey para os Jardins
A aproximação de Kherlakian com o famoso confeiteiro e apresentador de realities da Record e da Discovery aconteceu no ano passado, quando Buddy Valastro já havia detectado que o carinho dos fãs brasileiros poderiam também resultar em bons negócios. “Para abrir a operação no Brasil, o Buddy precisava de um administrador local. Foi um aí que um amigo em comum me falou sobre o projeto e viajamos ao Estados Unidos para conversar com ele, em meados do ano passado. Voltamos de lá com o projeto da abertura no Brasil já concluído”, conta, sem revelar o investimento para a inauguração da primeira unidade.

Além de Marcos Kherlakian, a Carlo’s Bakery também conta com outras duas sócias no Brasil: Milah Kherlakian, que ocupa a função de chief financial officer e Marília Lefosse, chef executiva da marca. A cozinha é comandada por Rick Zavala, vencedor da primeira edição do reality Batalha dos Confeiteros, exibido pela Record – cuja premiação principal era, justamente, comandar a primeira loja da Carlo’s Bakery no País.

Bolos-CarlosBakery

Bolos confeitados, que fizeram a fama internacional de Buddy, também fazem parte do cardápio da loja (Crédito: Reprodução)

Toque brasileiro
Reproduzir no Brasil os detalhes e a qualidade dos produtos oferecidos pelas 16 unidades da Carlo’s Bakery em território norte-americano foi uma tarefa que demandou um período de aprendizado in loco. Kherlakian conta que, assim que a equipe de confeiteiros escolhida para a operação brasileira viajou aos Estados Unidos para aprender o preparo e o estilo de confeitaria de Buddy. Ao retornar ao Brasil, o desafio continuou. “Era preciso adaptar as receitas da rede aos ingredientes do País, o que exigiu muitos testes”, relembra o CEO.

O aval definitivo do sabor dos cupcakes, cannolis e bolos foi dado pelo próprio Buddy Valastro, que esteve no País para a abertura da operação no final do ano. “Ele ficou muito satisfeito com o resultado e disse até que alguns dos doces ficaram melhores do que os produzidos pelas unidades norte-americanas” confessa Kherlakian. Para agradar ao paladar do público do País, foram inseridos no cardápio elementos da culinária nacional, como brigadeiro, paçoca e goiabada. Todo o cardápio é abastecido por uma fábrica própria, instalada no bairro paulistano de Pinheiros, onde são produzidos os doces e confeitos.

 

Buddy-Confeito

Buddy Valastro viu no mercado brasileiro a oportunidade de expandir a operação de sua marca (Crédito: Reprodução)

Marketing orgânico
O CEO usa as filas que se foram diariamente na entrada da operação para explicar a estratégia de marketing da rede no País. “O carinho dos fãs já atrai naturalmente as pessoas para a unidade. Temos um totem, em tamanho natural, do Buddy na porta da loja e a quantidade de pessoas que param ali para tirar selfie com ele é impressionante. Isso já fortalece muito a marca da rede”, aposta o CEO.

Além da popularidade do Cake Boss, os sócios também apostam no caráter democrático da rede para atrair mais público. “Nosso cannoli, que é o doce mais vendido da rede, custa R$ 14. É um custo acessível, se considerarmos as experiências que a loja oferecida e a qualidade dos ingredientes. Além disso, há vários cupcakes e outros itens com preços acessíveis”, pontua. Além dos itens das prateleiras, a rede também comercializa bolos confeitados sob encomenda.

A resposta do público a essa primeira fase da operação dá confiança aos planos de expansão dos sócios, que querem levar a Carlo’s Bakery para outros endereços da capital paulista e também para outras cidades. “Já está definido que teremos uma unidade em Campinas. Também queremos estar presentes nos melhores shoppings de São Paulo”, conta o CEO. Ele também antecipa que, até a metade de 2017, a rede brasileira já estará maior. “Abriremos duas outras unidades ainda neste semestre”, revela.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • buddy valastro

  • Carlo's Bakery

  • discovery

  • Record

  • Bolos

  • Doces

  • Lojas

  • Rede

  • varejo

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”