Bombril respeita legado, mas quer resultado

Buscar

Marketing

Publicidade

Bombril respeita legado, mas quer resultado

Segundo o CEO Luiz Gustavo Silva, a nova fase da comunicação da empresa, agora com a Africa, será focada em vendas

Luiz Gustavo Pacete
17 de julho de 2017 - 7h19

A escolha pela agência Africa, por parte da Bombril, anunciada na última sexta-feira, 14, marca uma nova e importante fase para a fabricante de produtos de limpeza. Após quase dois anos sem investir em marketing, em meio a um processo de reestruturação financeira, a empresa retoma o aporte de investimentos em comunicação. De acordo com Luiz Gustavo Silva, CEO da Bombril, a estimativa é que o investimento seja de até R$ 5 milhões no segundo semestre deste ano em toda sua estratégia de marketing que envolve publicidade, vendas e PDV.

A última agência a atender a Bombril foi a DPZ (atual DPZ&T), que conquistou toda a conta do anunciante em 2013, interrompendo uma parceria de mais de 30 anos que havia entre a Bombril e o publicitário Washington Olivetto, responsável pela criação de campanhas memoráveis e que manteve Bombril na conta da WMcCann até 2013. Sobre esse legado, Silva explica que “foi de extrema importância”, no entanto, na realidade atual da empresa, o marketing deverá ser mais orientado ao resultado e menos às campanhas de massa.

“No processo de reestruturação da empresa fizemos várias pesquisas e identificamos que o último grande investimento em uma campanha de massa (com Ivete Sangalo, Monica Iozzi e Dani Calabresa, em 2015) não deixou um legado para a marca. Foi uma transição muito forte para os consumidores que já possuíam uma relação com Carlos Moreno, o Garoto Bombril”, diz Silva.

O executivo explica que respeita as celebridades que participaram da campanha, mas que não houve um efeito prática para as marcas. Ele reforça que, a partir de agora, as ações de marketing devem ser específicas para ajudar na venda dos produtos. Sobre um eventual retorno de Carlos Moreno como garoto-propaganda, Silva reforça a importância do ator para a marca, mas deixa claro que não está nos planos repetir os formatos anteriores.

 

Anúncio da Africa informando a chegada de Bombril nos jornais desta segunda-feira, 17 (Crédito: Reprodução)

 

“Não descartamos a volta de Carlos Moreno, porém, se ocorrer alguma parceria com o ator não será em uma grande campanha. Percebemos que existe uma associação muito forte dos consumidores com ele e foi isso que ficou do passado”, diz Silva. O CEO reforça que outro objetivo da empresa neste momento é falar com o público jovem. “Não estamos falando de rejuvenescer a marca, mas de dar capacidade a ela de dialogar com as novas gerações”, diz o executivo.

Por fim, Silva explica que segue em curso um grande estudo sobre o potencial das marcas da Bombril e a eventual reformulação de cada uma delas. Desde que deu início a seu processo de reestruturação, a Bombril descontinuou cinco marcas de um total de 27. “Estávamos em segmentos que não faziam sentido do ponto de vista estratégico e a melhor escolha foi focar nos mercados em que somos líderes, diz Silva reforçando que o foco atual da companhia está nas marcas Limpol, Mon Bijou e Sapolio Radium,

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • africa

  • bombril

  • carlos

  • dpz

  • Marca

  • moreno

  • WMcCann

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”