>>>>1131 >>> >>>1131 >>

Consumidores muçulmanos: a nova fronteira das marcas

Buscar

Marketing

Publicidade

Consumidores muçulmanos: a nova fronteira das marcas

Seguidores do islã devem gastar US$ 300 bilhões com viagens, até 2026, e US$ 300 bilhões em beleza, até 2021, segundo a consultoria de tendências WGSN

Victória Navarro
8 de junho de 2018 - 8h43

Em 2020, os negócios verão o crescimento comercial alinhado com a economia social. Nesse cenário, marcas, varejistas e prestadores de serviço terão que trabalhar arduamente para compreender como podem ser relevantes para os valores e estilos de vida de consumidores de diferentes etnias e religiões. Alguns grupos que, atualmente, não têm grande representação nos negócios, em breve, serão os consumidores mais ativos — e eles optarão por marcas que adotam ações positivas mensuráveis em suas próprias comunidades.

A consultoria global de tendências WGSN, que analisou pesquisas qualitativas e quantitativas de mercado, chegou a conclusão que, até 2050, um quarto da população mundial será muçulmana, ou seja, 2,8 bilhões de pessoas. Até 2026, estima-se um gasto de US$ 300 bilhões com viagens por consumidores da religião islâmica. Além disso, até 2021, os muçulmanos devem aportar globalmente US$ 300 bilhões em beleza. Dentro desse universo populacional, temos a Geração M — os millennials muçulmanos.

Para Maria Kowalski, executiva de marketing Latam da WGSN, o aumento no número de muçulmanos acontecerá por conta da conversão religiosa e da realização de mais casamentos inter-raciais. “Empresas que investirem para atender a Geração M, principalmente nos segmentos de beleza, halal (alimentos e bebidas que os muçulmanos podem consumir), moda e hotelaria, devem ganhar mercado”, afirma Maria. Além disso, suas datas comemorativas como o Ramadã, quando é praticado o ritual de jejum, e o Eid al-Fitr, que marca o fim do jejum do Ramadã, podem ser altamente lucrativas para o mercado.

Abaya, roupa típica árabe, da Dolce & Gabbana (crédito: reprodução)

Segundo Shelina Janmohamed, autora do livro Generation M, essa geração provocará “uma mudança cultural por força econômica”. Com um gasto mundial de US$ 1,9 trilhão, a Geração M não pode ser mais ignorada, defende a autora na obra.

Algumas marcas globais já passaram a enxergar o potencial dos muçulmanos. A Nike, por exemplo, em 2017, lançou o Nike Pro Hijab, uma peça projetada para lidar com o desconforto e problemas de desempenho associados  ao uso do hijab (vestimenta usada pelas muçulmanas para se cobrir) na prática de esportes. O mercado da moda muçulmana foi de US $ 230 bilhões em 2014, e o número deve dobrar para US$ 484 bilhões até 2019, segundo a WGSN. Empresas de fast-fashion como Uniqlo e H&M estão lançando produtos voltados para os muçulmanos à medida que avançam para mercados do sudeste asiático. Além disso, em 2016, a Dolce & Gabbana apresentou sua primeira coleção com abaya (roupa típica árabe) e hijab.

 

Nike criou hijabs esportivas para serem usadas pelas muçulmanas (crédito: reprodução)

Também em 2016, CoverGirl, marca norte-americana de cosméticos, anunciou a blogueira de beleza muçulmana Nura Afia como sua primeira embaixadora com um hijab. Os cosméticos halal não podem conter álcool e quaisquer partes ou substâncias de animais, e devem atender rígidos padrões islâmicos. Indonésia e Índia, na Ásia, são os dois principais consumidores de cosméticos halal.

Nura Afia, blogueira de beleza muçulmana, foi anunciada em 2016 como embaixadora da marca norte-americana de cosméticos CoverGirl (crédito: reprodução)

Já o mercado de viagens muçulmano deve chegar US$ 233 bilhões até 2020, o que representará 25% da indústria mundial de viagens, de acordo com a WGSN. A agência de viagens muçulmana Have Halal Will Travel tem trabalhado destinos de aventura e opções de viagens que oferecem refeições halal e possibilidades de oração.

Segundo a executiva de marketing da WGSN, é uma questão de tempo para que outras marcas comecem a perceber a importância da Geração M. “Enquanto as empresas de grande porte ainda não reagem a esse novo consumidor, as marcas menores e empreendedoras já estão começando a investir nele”, contou.

A empresa Dazzle Food da Malásia, por exemplo, tornou-se 100% halal em 2009. A fabricante vende chocolates especiais para cobertura e consumo e possui marcas como Mr. Coco e Marie Coco. A companhia afirma que a certificação ajudou a ampliar suas vendas entre 20% e 30% nos últimos três anos.

A tecnologia 5G também influenciará no engajamento do consumidor, por meio de experiências em realidade aumentada e virtual. O desejo de que as marcas invistam mais localmente e não apenas vendam seus produtos, por parte dos clientes, é uma realidade, já que as pessoas não se setem mais confiantes sobre os seus estados e governos. Segundo o WSGN, 2020 marcará o início da inteligência híbrida — humana e artificial.

Crédito da foto do topo: David McEachan/Pexels

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Maria Kowalski

  • Dolce & Gabanna

  • h&m

  • Nike

  • Uniqlo

  • WGSN

  • compra

  • Consumo

  • Maria Kowalski

  • Muçulmano

  • WGSN

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”