Receita da Fifa desacelera após caso de corrupção, mas cresce

Buscar

Marketing

Publicidade

Receita da Fifa desacelera após caso de corrupção, mas cresce

Ciclo da Copa do Mundo da Rússia renderá US$ 5,2 bilhões, alta de 8% sobre a Copa do Brasil, pior crescimento neste século

Fernando Murad
12 de junho de 2018 - 7h00

Copa do Mundo da Rússia deve render US$ 5,2 bilhões para a Fifa (crédito: divulgação)

A partir da Copa do Mundo de 2002, realizada na Coreia do Sul e no Japão, a primeira disputada na Ásia, a Fifa passou a registrar um crescimento muito acelerado das suas receitas, especialmente com direitos de transmissão e patrocínios. No ciclo de quatro anos da Copa de 2002, a entidade máxima do futebol teve receita de US$ 1,6 bilhão, valor que triplicou e chegou a US$ 4,8 bilhões no período da Copa de 2014 no Brasil. A projeção da Fifa é que a Copa da Rússia gere US$ 5,2 bilhões, um acréscimo de 8% em relação a Copa anterior.

Este será o pior crescimento da FIFA neste século. A Copa de 2014 registrou evolução de 15% em relação à Copa de 2010, na África do Sul. Esta, por sua vez, teve um incremento de 59% em comparação com a Copa da Alemanha de 2006. Já a segunda copa realizada na Alemanha teve crescimento de 65% em reação ao mundial de 2002, na Ásia. Os dados são de um estudo da Sports Value, especializada em marketing esportivo, branding, patrocínios, avaliação de marcas e de propriedades esportivas.

“A Fifa se aproveitou muito do caráter midiático e global do futebol para faturar. Mas desde o fim da Copa do Brasil as coisas mudaram. As denúncias de corrupção afetaram sua gestão, suas receitas e lucros. A Copa da Rússia apresentará o menor crescimento das receitas da história recente”, diz Amir Somoggi, sócio diretor da Sports Value. Para o ciclo da Copa de 2022, no Catar, a expectativa da Fifa é atingir um faturamento de US$ 6,5 bilhões, o que representaria alta de 25%.

A receita da Copa da Rússia com direitos de transmissão será o recorde para a Fifa, com quase US$ 2,8 bilhões – na Copa de 2014 o valor foi cerca de US$ 2,5 bilhões. Para efeito de comparação, na Copa de 2002 os direitos de transmissão renderam US$ 991 milhões aos cofres da entidade. Em termos de patrocínio, o montante deve cair, passando de US$ 1,6 bilhão, na Copa de 2014, para US$ 1,3 bilhão, na Rússia.

“Definitivamente, a Fifa viu sua marca arranhada por conta dos graves casos de corrupção. Atualmente os patrocínios em queda mostram isso. O produto Copa do Mundo continua maravilhoso. Os patrocínios cresceram muito até a Copa de 2014. O mercado de mídia russo é menor que o brasileiro, mas a queda não se justifica”, analisa Amir. O estudo da Sports Value considerou os dados financeiros históricos publicados pela Fifa e outras informações econômicas e de mídia.

*Crédito da foto no topo: Clive Rose/GettyImages

  

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Amir Somoggi

  • FIFA

  • Sports Value

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”