Após investimento estrangeiro, Madero vai à TV aberta

Buscar

Marketing

Publicidade

Após investimento estrangeiro, Madero vai à TV aberta

Fundo Carlyle adquire 23% da rede de restaurantes que prevê, para 2019, a abertura de 52 unidades e nova estratégia de marketing

Salvador Strano
8 de fevereiro de 2019 - 9h22

 

Rede conta com 142 restaurantes no Brasil (Crédito: reprodução)

A rede de restaurantes Madero planeja investir em compra de mídia na TV aberta no segundo semestre deste ano. A movimentação acontece após a compra de 23% da empresa pela gestora estadunidense Carlyle por cerca de R$700 milhões. Atualmente, a rede conta com 142 restaurantes próprios, divididos em 16 estados.

Até então, a verba de marketing era direcionada a cinema e, em menor parte, em OOH, digital e revistas de companhias aéreas. Entretanto, com o aumento no número de restaurantes, o grupo definiu que é o momento de começar a investir em mídia de massa. A rede não trabalha com agências de publicidade e conta com uma equipe de criação interna.

Segundo Luiz Durski Junior, fundador do Madero, a verba destinada ao marketing neste ano será de R$36 milhões. A expectativa é que a rede fature, em 2019, R$1,2 bilhão. Além disso, o grupo deve abrir 52 restaurantes no período, a maioria deles em shoppings centers. Para isso, a rede tem uma lista de prospecção com cerca de cem centros comerciais de interesse. Entre as próximas inaugurações, está a entrada na região norte do País, com duas unidades em Belém do Pará.

Mesmo com o investimento em TV aberta, o conceito criativo das campanhas deve continuar o mesmo. Com ele, a transformação da frase “O Madero faz o melhor hambúrguer do mundo” para “O hambúrguer do Madero faz um mundo melhor” deve ser reforçada.

O Madero começou sua operação em 2005 com cinco restaurantes. Até 2010, a atuação era regional e não tinha expressão comercial, afirma Durski. Após conseguir acertar os pontos necessários, a rede começou sua expansão nacional, quando chegou a trabalhar com o modelo de franquias, mas “recomprei os restaurantes porque não era um modelo que nos agradava em controle de qualidade”, afirma o executivo.

Já o fundo de investimentos estadunidense conta com ações em redes do varejo como Ri-Happy e TokStok no Brasil. Os controladores do Carlyle esperam, segundo o InfoMoney, gerar lucro com o investimento a partir da abertura de capital do Madero, que deve acontecer nos próximos dois anos.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • TV aberta

  • investimento

  • Restaurantes

  • Madero

  • Carlyle

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”