Folha passa a cobrar pelo conteúdo online

Buscar

Mídia

Publicidade

Folha passa a cobrar pelo conteúdo online

Folha.com dá a largada ao modelo de assinatura paywall de conteúdo digital nesta semana

Nathalie Ursini
18 de junho de 2012 - 9h50

Com lançamento previsto para esta segunda-feira 18, a Folha.com passa a cobrar pelo conteúdo consumido pelo internauta, independente de ser versão digital do conteúdo impresso ou notícias produzidas para o próprio portal. A modelo do que vem acontecendo nos Estados Unidos e na Europa, a Folha decidiu adiantar o a iniciativa de monetização pelo conteúdo disponibilizado na internet. O paywall, como é chamado o modelo de “assinatura” para o conteúdo digital, segue o mesmo formato implantado por The New York Times há mais de um ano.

“É como o modelo do jornal impresso: o leitor paga pelo conteúdo e o anunciante pela audiência. Essa audiência atrai o anunciante”, conta Antonio Manuel, diretor superintendente do Grupo Folha. A ideia é que o conteúdo seja monetizado tanto pelo anunciante quanto pelo leitor. De acordo com o diretor, o investimento que é feito para a criação desse conteúdo hoje, não tem a contrapartida financeira suficiente para compensar. Isso porque, segundo ele, o grande investimento publicitário de web não está nos sites noticiosos.

Os internautas poderão ler até 20 artigos, à partir do 21º será obrigado a fazer um cadastro, o que dará acesso para mais 20 artigos. Se o internauta quiser ler mais que isso terá que pagar o valor estipulado – no primeiro mês de experimentação será de R$ 2,00, depois o preço será de R$ 29,90. Depois de pago, o usuário poderá acessar quantos artigos quiser nesse mês. A diferença é que não será uma assinatura renovável, ou que o usuário deverá pagar no próximo mês. “Se ele quiser ler só 20 notícias no próximo mês, não irá pagar”, conta Manuel.

O executivo confessa que espera a queda no número de visitas, atualmente o portal da Folha.com contabiliza 232 milhões de pageviews por mês. Mas o executivo explica que os outros players do mercado devem agir da mesma maneira até o fim do ano. “Discutimos a monetização do conteúdo digital no Maximídia deste ano, tanto o Estado, o Globo e o Lance já disseram que tem iniciativas de cobrar pelo produto. Isso deve acontecer até o fim do ano, estamos apenas dando o primeiro passo”, explica.

À medida que os demais veículos forem fazendo o mesmo movimento, a disputa volta a ser pela qualidade. Apesar da queda inicial, o executivo mantém o positivismo. “Deixando o conteúdo aberto por acesso limitado, vamos manter a audiência do leitor que não é heavy user do portal e a fidelidade do assinante”, conclui. Os assinantes das versões impressa e digital, além do Uol terão acesso ilimitado.

Os principais concorrentes da Folha, o Estado e O Globo, confirmaram projetos de cobrar pelo conteúdo que até então é disponibilizado gratuitamente. 

wraps

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”