Apps de mensagem predominam no mobile

Buscar

Mídia

Publicidade

Apps de mensagem predominam no mobile

Estudo da Kantar Ibope Media mostra que 88% dos brasileiros com smartphone trocaram mensagens instantâneas no último mês via aplicativos


7 de janeiro de 2016 - 12h20

O uso de aplicativos para mensagem instantânea já predomina nos smartphones brasileiros.

Estudo realizado pelo Kantar Ibope Media mostra que 88% dos brasileiros com telefones inteligentes trocaram mensagens instantâneas no último mês via aplicativos.

A análise foi realizada a partir do Target Group Index e considera os aplicativos “Google hangouts”, “Skype chat”, “Whatsapp”, “Yahoo Messenger” e “outros”

Segundo a pesquisa, Brasília (DF), Salvador (BA) e Porto Alegre (RS) concentram o maior número de usuários de aplicativos de mensagens, 92%, 90% e 90%, respectivamente, e acima da média nacional.

Do montante de usuários de aplicativos de mensagens têm smartphone, 45% concordam que a troca de mensagens de texto com alguém é tão significativa quanto uma conversa ao telefone.

O estudo também constatou que quanto maior a classe social, maior o uso do serviço de mensagens. Atualmente, quase todas as pessoas que têm smartphone das AB ou C, usam comunicadores: AB 92%, C 85% e DE 78%.

Por fim, mesmo que os jovens (entre 20 e 24 anos) sejam os que mais usam os aplicativos (95%), mais de 2/3 dos brasileiros com mais de 55 anos, que têm smartphones, também o utilizaram no último mês (70%).

wraps

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”