Snapchat tem prejuízo e crescimento moderado de usuários

Buscar

Mídia

Publicidade

Snapchat tem prejuízo e crescimento moderado de usuários

Dona do aplicativo perdeu US$ 2,2 bi no 1º trimestre deste ano ante US$ 104,6 milhões no mesmo período de 2016 chegando a 166 milhões de usuários

Luiz Gustavo Pacete
11 de maio de 2017 - 11h10

A Snap, dona do Snapchat, apresentou seu primeiro resultado financeiro após a abertura de capital, em março. No primeiro trimestre de 2017, a empresa teve um prejuízo de US$ 2,2 bilhões, ante perdas de US$ 104,6 milhões no mesmo período do ano anterior. A receita nos três primeiros meses do ano foi de US$ 149,6 milhões, alta de 286% em relação ao ano anterior.

Todos os números apresentados ainda não servem como parâmetros claros para indicar se a operação da Snap é rentável ou não. O prejuízo, por exemplo, está relacionado a remuneração dada aos acionistas em função da abertura de capital. No ano de 2016, as perdas totais da Snap foram de US$ 514,6 milhões. A primeira resposta do mercado ao balanço foi negativa. Com a divulgação, as ações da empresa caíram mais de 22% na bolsa de Nova York.

O número de usuários do Snapchat, chegou a 166 milhões ante os 158 milhões usuários que foram registrados pela empresa no final do ano passado. Quando comparado com o primeiro trimestre do ano passado, a alta no número de usuários foi de 36%. Nas considerações sobre os resultados, a empresa avaliou que a melhora do desempenho de suas ações depende diretamente do crescimento de usuários e do nível de engajamento do aplicativo.

A Snap estreou na bolsa avaliada em US$ 24 bilhões e com uma captação de US$ 3,4 bilhões. Na ocasião, mostrou-se uma opção para os investidores que apostavam em plataformas como Facebook e Twitter, mas que mostravam insatisfação quanto ao desempenho de ambas.

Em entrevista ao Meio & Mensagem, à época do IPO, Vicente Varela, VP de inteligência digital da DM9, explicou que a abertura de capital posicionaria a plataforma de forma mais competitiva. “O aporte trará avanços nos desenvolvimentos de novos recursos de navegação, em frentes de métricas de mensuração e por consequência o mercado publicitário ganhará inovação em plataformas de publicidade”, disse Varela.

Um levantamento da consultoria eMarketer, divulgado no início do ano, mostra que, em 2017, o Snapchat deve gerar uma receita de US$ 935,5 milhões, alta de 155,1% em relação a 2016. E 86% desse total virão dos Estados Unidos. De acordo com os cálculos da eMarketer, em 2018, a dependência do mercado americano vai cair, representando 75% das receitas. O Snapchat deve ganhar, em 2017, 66,6 milhões de usuários nos Estados Unidos, alta de 13,6% sobre o ano anterior.

Investimento em conteúdo e formatos

Desde o ano passado, o Snapchat vem ampliando suas opções de formato publicitário. Na semana passada, o aplicativo lançou no Brasil o Ad Manager. O serviço funcionará como um sistema “self-service” para compra de anúncios, e a novidade vem acompanhada de uma nova interface para marcas, o Mobile Dashboard e Business Manager.

Atualmente, mais de 20 marcas estão testando o Ad Manager, e qualquer marca pode se inscrever para testar o site. Em junho, a plataforma será aberta a todos nos Estados Unidos, Reino Unido, Brasil, Canadá, França, Alemanha, Austrália e outros países.

Ainda este ano, o Snapchat deve lançar conteúdos exclusivos com produtoras e parceiros como ESPN, ABC, Turner e NFL, de acordo com o The Wall Street Journal. Os episódios devem durar entre três e cinco minutos e desaparecerão em 24 horas. O objetivo seria competir com o Stories, do Instagram, que tem crescido consideravelmente nos últimos meses.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • aplicativo

  • Facebook

  • midia

  • Redes Sociais

  • snapchat

  • twitter

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”