Para Ancine, cotas ainda não cabem para VOD

Buscar

Mídia

Publicidade

Para Ancine, cotas ainda não cabem para VOD

Sistema de estimulo de conteúdo nacional é um dos três sugeridos pela agência, mas admite ser o menos adequado atualmente

Thaís Monteiro
11 de setembro de 2017 - 17h36

Na semana passada, o Ministério da Cultura, em reunião com o Conselho Superior de Cinema, suspendeu a proposta feita pela Agência Nacional do Cinema (Ancine) de estender as cotas para produção nacional em plataformas VOD (video on demand). A alegação é de que a sugestão vetava a livre concorrência de players recém estabelecidos no Brasil e poderia impedir o investimento de outros.

Em comunicado enviado ao Meio & Mensagem, Débora Ivanov, diretora-presidente da Ancine, admite que a medida não é a opção mais eficiente das três que a entidade apresentou ao ministério e ao conselho para incentivar a produção em serviços sob demanda. “Dos três mecanismos de estímulo a produção nacional e independente sugeridos pela Ancine no documento de recomendações para a regulação do Segmento de Vídeo Sob Demanda, encaminhado ao Conselho Superior de Cinema, acredito, particularmente, que o estabelecimento de cotas de conteúdo seja o menos eficiente, devido ao efeito restritivo que um dispositivo como esse possa ter sob a expansão dos catálogos oferecidos aos consumidores brasileiros”, afirma.

A proposta dava continuidade à Lei nº 12.685 que impôs a mesma medida à produtoras de TV em 2012. As demais sugestões são o estabelecimento de obrigações de investimento e implantação de mecanismos de equidade na divulgação de conteúdos.

A suspensão de cotas para VOD agradou players do mercado de pay tv e de plataformas de conteúdo, como a Discovery. “Acreditamos que o modelo viável hoje é o que envolve um parceiro operador”, afirma. O serviço Looke é brasileiro, mas o maior volume de busca em seu catálogo é por conteúdo estrangeiro. “A preferência do público ainda está nos conteúdos oriundos de outros países, como as produções que recém-deixaram as telas dos cinemas”, diz Luiz Guimarães, diretor de business affairs e head de conteúdo da empresa, que também apoia não colocar cotas num primeiro momento.


 

 

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Ancine

  • Conselho Superior de Cinema

  • Discovery

  • Discovery Networks Brasil

  • net

  • Video on demand

  • vídeo sob demanda

  • VOD

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”