Executivo da Samsung é suspeito de corrupção na Coreia do Sul

Buscar

Últimas notícias

Publicidade

Executivo da Samsung é suspeito de corrupção na Coreia do Sul

O líder da empresa, Jay Y. Lee, será interrogado após suspeita de lobby para conseguir aprovação do governo para uma fusão


11 de janeiro de 2017 - 11h47

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O líder do grupo Samsung, Jay Y. Lee, será interrogado por uma procuradoria-especial da Coreia do Sul, suspeito de se envolver no mesmo escândalo de corrupção que pode desbancar a presidente do país, Park Geun-hye.  

A operação investiga pagamentos da Samsung de aproximadamente 30 bilhões de wons (25 milhões de dólares) para uma empresa e duas fundações apoiadas por uma amiga de Park, que estariam ligados a uma decisão do fundo de pensão nacional em 2015 de apoiar a fusão entre as unidades Samsung C&T e Cheil Industries. 

A empresa reconheceu ter feito contribuições para duas fundações e para uma empresa de consultoria controladas por Choi Soon-sil, amiga de Park envolvida no escândalo, mas negou as acusações de ter feito lobby para aprovar a fusão.

Lee foi convocado para prestar depoimento na próxima quinta-feira, 12 de janeiro, e ainda não foi confirmado se ele e outros executivos da marca serão indiciados. O impeachment de Park foi aprovado em dezembro pelo Parlamento coreano e será julgado pela Corte Constitucional do país.

 

 

 

 

 

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Jay Y. Lee

  • Park Geun-hye

  • Samsung

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”