“A Globo precisa se entender como empresa de marcas”

Buscar

Vídeos

Publicidade

“A Globo precisa se entender como empresa de marcas”

Sérgio Valente fala sobre as iniciativas de inovação da emissora

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

  • Evandro Galvão Ferreira

    A Globo acabou com sua área de licenciamento de marcas e personagens em 2015, depois de ser premiada pela Fifa, Familia Monteiro Lobato, Endemol, Vicar/T4F entre outros como a melhor empresa de licenciamento de marcas que já trabalharam.
    Além de proporcionar um relacionamento extra com seu público, fez muita história “emprestando” seus assets (marcas e conteúdos) para marcas que desejavam se reposicionar, ganhar market share, fazer guerrilha, fazer produtos licenciados, mega-promoções e tal. Mas, o Sérgio Valente não conhece esse histórico. Disney, Pixar (que é da Disney), Warner, Fox já utilizam esses ativos há décadas, e o entrante Netflix em breve vem com tudo para usar marcas, conteúdo e suas plataformas.
    Falar, até o Louro José fala.
    Axé.