Sean Penn: o sonho de Ariel

Buscar

Comunicação

Publicidade

Sean Penn: o sonho de Ariel

Criada pela AgênciaClick Isobar, campanha #vemseanpenn repercute globalmente

Isabella Lessa
22 de fevereiro de 2013 - 5h19

Ariel Goldenberg, de 32 anos, realizou grandes sonhos: o de atuar e protagonizar um filme. Ele é o personagem principal de “Colegas” (assista abaixo), dirigido por Marcelo Galvão, no qual contracena com outros dois atores que, como ele, são portadores da síndrome de Down, Rita Pokk e Breno Viola. Um desejo de Ariel que falta se concretizar vem ecoando pelas redes sociais e ganhou espaço nas principais publicações do País. Ele quer trazer para o Brasil o ator que o inspira, o norte-americano Sean Penn, para a estreia do filme, no dia 1º de março.

Para atingir o astro e convencê-lo a viajar, nasceu a campanha #vemseanpenn, que rapidamente se alastrou pela mídia social desde que um vídeo criado para realizar esse sonho de Ariel subiu ao YouTube, em fevereiro 06. A ação foi idealizada pela AgênciaClick Isobar, que desenvolveu o projeto e responde pela hashtag #vemseanpenn, onipresente nos trending topics do Twitter, nos murais do Facebook e até mesmo no Instagram (há cerca de dez mil fotos com a tag chamando o ator). “Fizemos questão de escrever em português mesmo. Não tínhamos noção da proporção que iria tomar”, diz Fred Saldanha, vice-presidente de criação da Click.

Por ser amigo do diretor do longa, Saldanha acompanhou toda a jornada para a realização de “Colegas”, que durou sete anos. “O Marcelo foi corajoso por querer fazer um filme com esse tema, considerado um tabu. Nenhuma marca se interessava em patrocinar”, diz. A produção, no entanto, acabou conseguindo diversos apoios como Petrobras, Sabesp e Net. O filme conquistou cinco Kikitos de Ouro, incluindo o de melhor filme. Lá fora, ganhou o prêmio de melhor filme no 6º Disability Film Festival Breaking Down Barriers, na Rússia, e o Prêmio do Público, do XXVII Festival de Cinema Latino Americano di Trieste, na Itália.

O projeto #vemseanpenn surgiu depois que Saldanha conferiu a exibição de “Colegas” na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo no ano passado e ficou para o debate após a sessão. Lá, ouviu o seguinte testemunho da mãe de uma pessoa com síndrome de Down: “Vivo há 27 anos em função do meu filho e durante todo esse tempo nunca pensei em descobrir qual é o sonho dele, se quer casar, voar. Hoje vou sair daqui e tentar descobrir qual o sonho dele e ajudá-lo”. Marcado pelo depoimento e por ter visto Ariel comprar as passagens para Los Angeles sem poder embarcar pela ausência do visto, ele decidiu apoiar protagonista de “Colegas” na empreitada.

Entre reuniões na agência que incluíram o diretor Galvão e o próprio Ariel, Saldanha e a equipe de criação (Eduardo Battiston, Nicolas Ferrario, Thiago Barbieri e Pedro Anversa) fizeram o vídeo para o YouTube que gerou – até esta semana – mais de 1,3 milhão de visualizações. Na trama de “Colegas”, três jovens são responsáveis pela videoteca de uma instituição destinada a pessoas com síndrome de Down e se divertem repetindo falas de blockbusters como Pulp Fiction e Thelma e Louise.

Por esse motivo, o vídeo mistura cenas de filmes com imagens de Ariel contando sua trajetória. Os atores que aparecem no vídeo são, em sua maioria, amigos de Saldanha. “Fomos caras-de-pau mesmo. Falamos que precisávamos que eles mandassem o vídeo no mesmo dia”. Gabriela Duarte, Sérgio Marone, Juliana Paes e outros atores, como Lima Duarte, aparecem na campanha pedindo a Sean Penn que venha para o Brasil.

Além das estrelas escaladas para o vídeo da campanha, outros famosos vêm se manifestando na rede. O skatista Bob Burnquist e o músico Jason Mraz foram alguns que aderiram à causa. O craque Neymar, junto com o time do Santos e seu técnico, Muricy Carvalho, postaram um vídeo espalhando a mensagem. O sonho de Ariel chamou tanta atenção que ele estreou seu blog no Terra, no qual fala de sua atuação em “Colegas” e de seu dia a dia fora do cinema.

Saldanha refere-se à ação como um “movimento”, mais do que uma campanha. “Foi algo muito orgânico, um projeto sem grana. Virou um marketing do bem”, diz. “As pessoas estão dando continuidade compartilhando o vídeo. Deixou de ser apenas o sonho do Ariel, as pessoas abraçaram o sonho dele”, completa. O viral atravessou continentes e chegou à Europa. Segundo Saldanha, veículos da Inglaterra, França e Itália estariam interessados em traduzir o vídeo para os respectivos idiomas.

Marcas interessadas em financiar a viagem do astro não faltam, mas Saldanha não revela quais são. Ele não crê que a iniciativa de uma empresa vá encorajar a vinda. “O Sean Penn não vive como a maioria das celebridades”, comenta sobre o ator, que não costuma protagonizar campanhas publicitárias ou fazer merchandising. Ele declara que não há planos para outro vídeo caso o ator venha, mas que “vai ser uma delícia registrar o momento”. Resta esperar que Sean, que encarnou personagens envolvidos com causas nobres como o Sam de “Uma lição de amor” e o Harvey, de “Milk”, desembarque no País para assistir ao filme estrelado por Ariel.

Publicidade

Compartilhe