Conar veta ?ordinária? do Compadre Washington

Buscar

Comunicação

Publicidade

Conar veta ?ordinária? do Compadre Washington

Campanha criada pela NBS para BomNegócio.com terá de ser alterada

Alexandre Zaghi Lemos
28 de Maio de 2014 - 5h05

Sessão do Conselho de Ética do Conselho Nacional de Auterregulamentação Publicitária (Conar), realizada nesta terça-feira 27, em São Paulo, determinou que deve ser alterado o comercial criado pela NBS para o site BomNegócio.com, protagonizado pelo cantor Compadre Washington, um dos integrantes do grupo baiano É o Tchan.

A peça, veiculada desde fevereiro, foi motivo de cerca de 50 reclamações, principalmente de mulheres, recebidas pelo Conar nas últimas semanas. O alvo é uma palavra que nem chega a ser dita inteiramente pelo protagonista.

À beira da piscina, o marido observa a mulher entrar na água de maiô. No papel de um aparelho de som meio fora de moda, surge Compadre Washington, elogiando a moça bem a seu modo: “Êta mãinha… Danada, que abundância, meu irmão. Assim você vai matar papai, viu? Esse aí é que é seu marido, é? Sabe de nada, inocente! Vem, vem, ordiná…”. O termo “ordinária” não é dito completamente, pois Compadre Washington desaparece assim que o marido, incomodado, vende o som pelo site.

E foi justamente a palavra não completada que incomodou parte do público. As reclamações recebidas pelo Conar a consideraram um desrespeito à mulher. O Conselho de Ética concordou, e, por unanimidade, pediu a alteração do comercial, que deve suprimir o termo ordinária – ou melhor, o “ordiná…”.

Pelas regras do Conar, o filme já não pode mais ser veiculado até que a alteração seja feita. Entretanto, a decisão foi tomada em primeira instância, portanto cabe recurso.

O comercial ainda pode ser visto em algumas páginas do YouTube:

wraps

O BomNegócio.com aumentou em 362% seu investimento em compra de mídia de 2012 para 2013, segundo o ranking Agências & Anunciantes divulgado nessa semana por Meio & Mensagem. Em 52º lugar entre os maiores anunciantes brasileiros do ano passado, o site destinou R$ 101 milhões à compra de mídia.

A série de comerciais criada pela NBS é uma das de maior sucesso do ano na publicidade brasileira. A aparição de personalidades como Narcisa Tamborindeguy, Sérgio Mallandro, Paulo Gustavo, Supla e até mesmo o ex-jogador argentino Maradona representando artigos incômodos que os proprietários acabam vendendo no site caiu no gosto popular. Entretanto, a peça de maior repercussão é justamente a protagonizada por Compadre Washington.

O comercial motivou até mesmo a ressurreição da banda É o Tchan, que lançou uma nova música usando o bordão “Sabe de nada inocente” popularizado pela campanha publicitária. Veja o grupo em participação recente no programa de Luciana Gimenez, na Rede TV:

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”