Logan 2021: Growth e inovação na ordem do dia

Buscar

Content Lab

Em parceria com

Logan 2021: Growth e inovação na ordem do dia

Sob nova liderança global, Logan fechou 2020 em crescimento, e se apresenta com muitas novidades para esse novo ano

Francesco Simeone, diretor-geral da Logan no Brasil e chief growth officer na América Latina



17 de janeiro de 2021 - 8h25

Apesar dos inúmeros desafios trazidos pelo ano de 2020, sob vários aspectos, a Logan conduziu um processo de expansão e crescimento. No ano passado, marcado pela crise econômica fruto da pandemia, a empresa seguiu com planos de abertura de escritórios em várias cidades do mundo, o que manteve o ritmo de contratações, promoções, aquisições, lançamento de novos produtos, novas empresas e a renovação da identidade visual.

“Vínhamos dobrando de tamanho anualmente. Em 2020, continuamos crescendo bastante”, afirma Ignacio Alvarez Saez, fundador e General Manager da Logan, citando as novas sedes inauguradas em Madri (Espanha), Equador, Bolívia, Panamá, Paraguai, Venezuela e Colômbia. Para organizar essa expansão, a empresa promoveu, no começo do ano passado, Francesco Simeone, que, além de manter a diretoria geral da operação brasileira da companhia, passou a ser Chief Growth Officer, e Ignacio Quintana, que assumiu a posição de Chief Revenue Officer – em ambos os casos para direcionar estratégias e equipes em todos os países onde a Logan opera.

Para Alvarez Saez, as promoções foram estratégicas, já que o Brasil é o principal mercado da Logan em todo o mundo. “Somos uma multinacional latina, mas todos pensam que somos uma empresa 100% brasileira”, diz ele. “Temos mesmo uma “brasilidade” que queremos exportar para o mundo”, afirma, destacando a história da empresa em São Paulo, que recebeu o maior escritório da Logan fora de Buenos Aires, onde foi baseado seu headquarter. Depois disso, vieram as unidades em Madri, Barcelona, Rio de Janeiro, Brasília, Miami, Bogotá, Lima, Asunción, Santiago do Chile, Quito, Cidade da Guatemala, La Paz, Panamá, e Cidade do México.

“A equipe brasileira é a maior responsável pela nossa expansão para a Europa e os Estados Unidos”, diz o fundador da Logan, que se diz apaixonado pela cultura de trabalho brasileira. “A forma como o Brasil enfrenta desafios é referência mundial”, acredita. “São Paulo é a Manhattan da América Latina, não há outra cidade de negócios como esta”. Para Francesco Simeone, o comprometimento dos brasileiros com o trabalho também foi de extrema relevância. “Desde o primeiro dia de pandemia nossa principal preocupação foi contribuir, somar no mercado e também proteger nossos funcionários. Tenho muito orgulho de termos conseguido isso ao longo de 2020, e por mérito de um grande trabalho das nossas equipes, com um destaque especial para o trabalho feito pela nossa equipe brasileira”, afirma.

“Nesse período entendemos que momentos de grandes mudanças são fonte de grandes oportunidades, por isso trabalhamos para lançar constantemente no mercado produtos atuais, que possam trazer soluções aos novos problemas que estamos enfrentando” adiciona Simeone, que em 2020 apresentou ao mercado vários casos de sucesso que levaram também à conquista de prêmios internacionais. Segundo o executivo, os casos foram frutos de um trabalho constantemente focado em usar a tecnologia de forma pragmática, pensando “fora da caixa”. “Conseguimos casos de sucesso com marcas como O Boticário, TIM e Reckitt Benckiser, demonstrando que o uso adequado da tecnologia no digital pode gerar excelentes resultados não somente no mundo virtual, mas também no mundo físico e no pdv, com comprovados uplift de vendas” afirma. “Para 2021 nosso objetivo é continuar a crescer, aproveitando a consolidação do share of mind que conseguimos em 2020 por mérito de um movimento de contínua inovação e rapidez em adaptar a oferta à demanda”.

Engajados e solidários

As boas notícias internas da Logan de forma alguma fizeram com que a empresa ficasse alienada a tudo o que aconteceu no mundo em 2020. Prova disso é a Iniciativa Latina, organização sem fins lucrativos liderada pela Logan, para ajudar as organizações internacionais, como a OMS, no campo da saúde, além de 27 governos, a enfrentar a Covid-19 por meio de monitoramento de dados e campanhas de conscientização. A partir dos 260 milhões de IDs clusterizados de forma anônima na Logan, as instituições participantes conseguiram mapear territórios e até entregar ações em vários países contemporaneamente, incluindo o Brasil. As campanhas utilizaram combinações de vários formatos, entre eles o Push to Whatsapp que, ao impactar com uma push notification, redirecionava o usuário a um chat direto com os canais whatsapp de organizações e governos para quem precisasse obter mais informações sobre a pandemia.

Também a partir desse patrimônio de dados, governos nacionais, estaduais e municipais puderam monitorar a pandemia e gerir momentos de crise, enviando mensagens customizadas para as categorias de risco se manterem fora de perigo. “Aplicamos nosso Lift de Consciência para comparar a mudança de comportamento obtida entre grupos que foram e não foram expostos às iniciativas de conscientização”, afirma Francesco Simeone, Chief Growth Officer da Logan. “Foi emocionante ver quantas pessoas ficaram mais cuidadosas depois de serem impactadas”.

Essa ação regional recebeu a menção especial dos jurados na categoria “Melhor Campanha por uma Causa Social” no Festival de Media Latam de Miami 2020 (FOMLA), no qual a Logan ganhou também o primeiro prêmio na categoria “Melhor Uso de Dados & Insight da América Latina” junto a uma campanha cocriada com BETC para a marca Vanish, da Reckitt Benckiser – a mesma categoria pela qual, em 2019, ganhou um prêmio internacional graças a um case de geo hi-tech para a marca Devassa, junto a iProspect.

Novas marcas, novos negócios

Para ampliar sua oferta de serviços no Brasil, a Logan se estruturou como grupo e lançou duas novas empresas. A primeira é a PMP.bid, que tem foco em mídia programática com oferta de inventários diferenciados e métricas garantidas, soluções exclusivas nos verticais de Áudio e Vídeo. Outro ponto importante é a oferta de soluções inovadoras focadas em colocar as marcas em contato com o universo dos Gamers e em gerenciar presença das marcas em marketplaces como Amazon e Mercado Livre. Com operação comercial própria, a empresa foi lançada no mercado brasileiro em setembro 2020, após estrear no México, Argentina e EUA.

Já a Super Small Data, por sua vez, é uma empresa focada em oferecer os dados como serviço, desenvolvendo Dashboards para geração de Data Insights sobre audiências, pontos de venda e monitoramento inteligente de roteiros de mídia OOH, e com um enfoque especial em desenvolver soluções tecnológicas de Brand Safety em defesa das marcas. Com headquarter em Miami, será comercializada no mercado brasileiro pela equipe de venda da própria Logan, que agrega ao seu portfólio de serviços de Data Activation via mídia mobile e geolocalização os serviços de Data Science da Super Small Data. Soma-se a isso o fato de que a Logan se transformou na maior empresa independente de mobile media & data do mundo latino, mantendo-se no propósito de ter agilidade para oferecer

“Inovação Always on” aos seus clientes. A Super Small Data foi beneficiada pela compra de uma importante empresa de data insights baseada nos Estados Unidos. “A partir dessa aquisição agora estamos em condições de oferecer um backbone ainda mais completo de serviços e tecnologias offline + online (o+o) para agências e marcas operarem data e mídia da melhor forma possível”, afirma Simeone.

Para acompanhar todas as novidades, a empresa ainda apresentou ao mercado sua nova identidade visual, desenvolvida in-house durante 12 meses. “Utilizamos as cores e os estilos de importantes artistas Latino-americanos para criar uma marca mais adulta para a nossa multinacional, que hoje tem 16 operações ativas nas Américas e na Europa”, diz o fundador e diretor Alvarez Saez, satisfeito com os resultados.

Publicidade

Compartilhe