IAB pode rever valores do digital após crise do Google

Buscar

Mídia

Publicidade

IAB pode rever valores do digital após crise do Google

Cristiano Nóbrega, presidente da entidade, considera que o mercado digital é maduro para lidar com o problema

Luiz Gustavo Pacete
29 de março de 2017 - 10h50

Os investimentos nacionais em publicidade digital em 2016 somaram R$ 11,8 bilhões. O levantamento é do Interactive Advertising Bureau (IAB) Brasil, feito com dados da ComScore. Foram consideradas para a pesquisa informações obtidas com compradores e vendedores de mídia que incluem veículos, adnetworks, agências e outras empresas que compõem o cenário de mídia nacional.

As recentes polêmicas envolvendo o Google e anunciantes na Europa e nos Estados Unidos não entram, neste momento, na conta, mas podem ter reflexo futuro. “Estamos acompanhando o caso que está ocorrendo nos EUA e Reino Unido, as estimativas que fizemos para 2017 de crescimento de 26% pode ser revista caso haja um impacto no mercado brasileiro”, afirma Cris Camargo, diretora do IAB-BR.

“Apesar da proporção desse assunto, o mercado digital consegue reagir rápido e dar ferramentas aos anunciantes para garantir segurança”, diz  Cristiano Nóbrega, presidente do IAB-BR. O setor vive um processo de aprimoramento que inclui fornecer segurança para que os anunciantes comprem melhor, acrescenta.

Números
O resultado está acima do crescimento que a empresa havia projetado, de R$ 10,1 bilhões. Quando detalhado, o investimento em digital é dividido da seguinte forma: vídeo foi responsável por R$ 2.2 bilhões, 19% do total, enquanto display e social responde por R$ 3.8 bilhões, total de 32,5% e search representa R$ 5.7 bilhões, 48,5% do montante.

O investimento em programática foi de R$ 1,9 bilhão representando 16,5% do total geral de digital. “‘Numero bastante significativo na medida que já temos maturidade dos anunciantes e agências para comprarem programatica”, diz Cristiano. De acordo com a entidade, a estimativa de crescimento para o ano de 2017 é de 26% chegando a um total de R$ 14,8 bilhões.

O levantamento mostra que o digital cresceu a despeito do cenário de crise e redução de investimentos em outras modalidades de mídia. O levantamento aponta que no Reino Unido a queda no investimento total em mídia foi de 11,2% no ano passado. As únicas duas categorias que cresceram foram digital e cinema com alta de 4,2% e 7,6% respectivamente.

No comparativo global, os Estados Unidos investiram US$ 83 bilhões em digital no ano passado registrando alta de 40%, já no Reino Unido esses investimentos foram de US$ 14,7 bilhões, alta de 58%.

Conteúdo
Durante a apresentação dos números do mercado brasileiro, realizada na manhã desta terça-feira, 29, na sede da IAB-BR em São Paulo, também se abordou a questão das notícias falsas em plataformas digitais, outro assunto que tem circulado com força no mercado. “O mercado já tem criado ferramentas para mapear e combater fake news. Isso vai ajudar o a lidar com esse tema que é parte da agenda”, afirma Cris Camargo.

Luciana Burger, diretora-geral da ComScore no Brasil, destaca que a prioridade é calcular métricas e investimento publicitário. “Não julgamos o conteúdo, mas percebemos crescimento de alguns sites que nos chamaram atenção”, afirma. “As pessoas precisam entender que não se compra audiência na 25 de março”, complementou Cris, do IAB-BR, sobre a necessidade de publishers e outros outlets buscarem qualificar seu público.

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Mobile

  • digital

  • internet

  • investimento

  • Redes Sociais

  • programatica

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”