Criando no rolê

Buscar

Mídia

Publicidade

Criando no rolê

Série em vídeo do Meio & Mensagem mostra o cenário urbano como pulso criativo de transformações culturais e o desafio da cocriação entre marcas e artistas

Luiz Gustavo Pacete
15 de abril de 2019 - 10h41

 

Evandro Fióti: “Sem convivência, as marcas perdem o pulso cultural” (Crédito: Denise Tadei)

O Meio & Mensagem estreia em seu canal no YouTube e em suas plataformas digitais a série em vídeo “Criando no Rolê”. Dividido em três episódios, o conteúdo trata de autenticidade, empatia e descentralização na relação entre marcas, artistas e coletivos. O rapper Fióti, o produtor Kondzilla, a jornalista Lulie Macedo e o Coletivo Mooc, entre outros profissionais, reforçam a necessidade de parcerias de longo prazo e processos de cocriação que respeitem a autenticidade da rua.

Criando no Rolê – EP 1: Autenticidade
O cenário urbano é o pulso criativo de muitas transformações culturais, porém, cocriar e se aproximar de artistas de forma autêntica ainda é um desafio

Criando no Rolê – EP 2: Descentralização
Para artistas e coletivos urbanos, a internet possibilitou uma maior descentralização permitindo a distribuição independente de conteúdo

Criando no Rolê – EP 3: Empatia
Ao cocriar com artistas da comunidade e entender os movimentos das ruas, marcas e agências precisam respeitar a representatividade e o lugar de fala

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • musica

  • criatividade

  • cultura

  • Arte

  • Dança

  • Rua

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”