Após suspensão de FSA, secretário de cultura deixa ministério

Buscar

Mídia

Publicidade

Após suspensão de FSA, secretário de cultura deixa ministério

Henrique Pires alega discordância com política que resultou no adiamento de edital; entre mais de 70 projetos, quatro séries têm temática LGBT


22 de agosto de 2019 - 11h07

O ex-secretário de Cultura, Henrique Pires (Crédito: Divulgação)

Henrique Pires, secretário especial de Cultura, sob a pasta da Cidadania, deixou o cargo após afirmar que o governo realiza filtros em relação às políticas culturais. Na quarta-feira, 21, o Planalto publicou no Diário Oficial a suspensão de um edital de financiamento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) a produções de TVs públicas. O motivo seria o fato de quatro séries de temática LGBT+ estarem entre as participantes.

A presença desses conteúdos no edital foi criticada publicamente pelo presidente Jair Bolsonaro durante uma live nas redes sociais. A suspensão atinge também outras 11 categorias que seriam contempladas pelo FSA. Os projetos deveriam passar por uma comissão especial e, caso aprovados, receberiam verbas que variam entre R$ 400 mil e R$ 800 mil cada. A justificativa oficial do governo à suspensão do edital é que o comitê gestor do fundo precisa ser recomposto.

Em nota divulgada à imprensa, o ministério da cidadania afirmou que Henrique Pires não decidiu sair, mas foi demitido por não desempenhar as políticas propostas pela pasta.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Ministério da Cidadania

  • Henrique Pires

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”