Focada em podcasts e audio books, Storytel chega ao Brasil

Buscar

Mídia

Publicidade

Focada em podcasts e audio books, Storytel chega ao Brasil

Plataforma sueca inicia operação no País de olho no crescimento da demanda por narrativas em streaming

Luiz Gustavo Pacete
11 de setembro de 2019 - 5h55

 

Junto a Karina Pino, content manager, e Mariana Rolier, publishing manager, o country manager Andre Palme vem trabalhando há um ano no desenvolvimento da plataforma no Brasil (Crédito: Divulgação)

Com o mesmo país de origem de seu concorrente indireto, o Spotify, a sueca Storytel chega ao Brasil nesta semana com escritório e equipes de conteúdo, comercial e marketing. O foco da empresa, presente em mais de 19 países, é a oferta de audiobooks, séries, conteúdo informativo e podcasts. Desde o ano passado, um time de profissionais da Storytel desenvolve a produção de audiolivros em português que dá a base para o catálogo a ser lançado nesta semana. Entre eles está André Palme, country manager no Brasil, com passagem por editoras especializadas e a plataforma #coisadelivreiro.

Criada em 2005, a Storytel produziu, em 2018, mais de cinco mil títulos em 17 idiomas e, recentemente, iniciou operações no México, Alemanha e Colômbia. “O diferencial da Storytel é o conceito de ‘audiotainment’. Com exceção da música, a plataforma abarca os mais diversos conteúdos de entretenimento que podem ser consumidos em áudio. O público brasileiro já é maduro no consumo de streaming. Os conteúdos em áudio concorrem com o tempo livre e nesse sentido concorremos com qualquer plataforma que oferece produtos e serviços, desde séries em TV até música, e opções de lazer”, explica André.

O segmento de audiolivro, uma das áreas estratégias de atuação da Storytel, ainda é um mercado em formação no Brasil. Nos Estados Unidos, no entanto, de acordo com a Association of American Publisher, o setor vem crescendo anualmente 20% desde 2016 quando o volume de produção chegou a 89 milhões de unidades ao ano. De acordo com o site Statista, o setor tem uma receita anual que se aproxima de US$ 2 bilhões. Ao Meio & Mensagem, ele fala sobre a estratégia da plataforma e os desafios deste mercado.

 

Em 2018, a Storytel produziu 5000 títulos em 17 idiomas (Crédito: Divulgação)

Atuação
“A Storytel tem foco em conteúdo em áudio, incluindo audiobooks, podcasts, séries e broadcasts de informação, além de livros digitais. Somente em 2018, produziu 5000 títulos em 17 idiomas. Recentemente, a plataforma iniciou operações no México e na Alemanha, além da Colômbia. O propósito da Storytel é ser uma plataforma completa de áudio entretenimento, que oferece uma enorme gama de conteúdos em áudio, um conceito de “audiotainment”. Com exceção da música, a plataforma abarca os mais diversos conteúdos de entretenimento que podem ser consumidos em áudio”

Brasil
“O País é um grande mercado na América Latina e é a nona maior economia do mundo com uma população de mais de 210 milhões de habitantes, ou seja, um mercado com muito potencial para a Storytel. Além disso, o áudio expande o acesso à informação e entretenimento, apresentando um formato adicional e complementar para o consumidor. Trata-se de uma oportunidade para consumo de conteúdos facilmente inseridos ao longo da jornada diária. Estamos muito otimistas com o potencial de crescimento que teremos aqui no Brasil, visto que o público brasileiro já é maduro no consumo de streaming. Os conteúdos em áudio concorrem com o tempo livre e nesse sentido concorremos com qualquer plataforma que oferece produtos e serviços, desde séries em TV até música, e opções de lazer.”

Estratégia
“A Storytel contará aqui no Brasil com um escritório em São Paulo, estabelecendo acordos com criadores de conteúdo e parcerias de mídia e divulgação, com equipe brasileira que já está trabalhando há mais de um ano na produção e seleção de conteúdo, além da operação da plataforma aqui no Brasil. Dentro da equipe do Brasil, contamos com profissionais de conteúdo, tecnologia e marketing. Disponibilizaremos o conteúdo em português e também títulos também em inglês.”

Conteúdo
“No Brasil, a ideia é abrir ainda mais o leque de conteúdos de entretenimento com séries originais, áudio documentários, podcasts exclusivos de diversos temas e gêneros e até áudio dramas.  Com exceção da música, somos uma plataforma que une todo esse conteúdo em um só lugar oferecendo ainda séries originais em áudio. Esse foco tem a grande vantagem de permitir maior mobilidade em relação a outros formatos, já que você pode praticar esportes ouvindo conteúdo em áudio, mas não consegue ver vídeos ou séries de TV enquanto está correndo, por exemplo.”

Aúdio
“Este mercado ainda está em expansão e o fato do áudio permitir que seu consumo seja realizado praticamente em qualquer momento, inclusive no chuveiro, ao caminhar na rua ou no parque, por exemplo, faz com que haja um espaço para o crescimento deste segmento. Prova disso, é um levantamento que fizemos recentemente, com dados do TGI/IBOPE, sobre a propensão e interesse em ouvir conteúdos em áudio no Brasil que mostrou que cerca de 11% da população consome ou está propensa a consumir conteúdos em áudio, além disso, cerca de 60% das pessoas que consomem videos-on-demand estão propensas a consumir conteúdo de áudio entretenimento, assim como pessoas que costumam baixar séries de tv, fimes e jogos (12,3%.; 19,07%; 20,6%, respectivamente).”

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • andre palme

  • Spotify

  • storytel

  • Podcast

  • Aúdio

  • audiobook

  • Inovação

  • tecnologia

  • Conteúdo

  • Negócios

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”