Influência financeira se aproxima de público baixa renda

Buscar

Mídia

Publicidade

Influência financeira se aproxima de público baixa renda

Mercado se distancia de conteúdo aspiracional e crise econômica causada pelo novo coronavírus acelera movimentação

Salvador Strano
12 de junho de 2020 - 6h00

Amanda Dias mantém o Grana Preta, perfil focado em empreendedorismo (Crédito: divulgação)

Com a crise econômica causada pelo novo coronavírus, canais de orientação financeira que tratam de temas como desemprego, redução salarial e organização básica de orçamento familiar passaram a ocupar um espaço cada vez maior nas plataformas digitais.

Esses perfis apresentam um serviço ao seu público. Mas não só. Eles também apostam em um conteúdo da vida real, e não mais na narrativa aspiracional que dominou o segmento por muito tempo, falando de investimentos em bolsa, aquisição de imóveis e reservas de emergência de 12 meses de salário.

A movimentação ampliou, ainda, a força do segmento no relacionamento com as marcas. Um dos maiores expoentes entre os perfis desse segmento é o canal Nath Finanças, comandado por Nathália Rodrigues, que além dos perfis nas redes sociais é também colunista do Voz Da Comunidade e do jornal El País Brasil.

Mas ela não está sozinha. Nos últimos meses, perfis com apelo visual jovem e linguagem atraente ao público geral começaram a ganhar volume no cenário de influência nas redes sociais.

Um deles é o Grana Preta, feito por Amanda Dias, jornalista econômica que conversa com o público negro e de baixa renda sobre empreendedorismo em Salvador, na Bahia. Entretanto, agora, o o conteúdo precisou passar a ajudar o público a passar pelos trâmites burocráticos que dão acesso ao Auxílio Emergencial distribuído pelo Ministério da Cidadania a partir da Caixa Econômica Federal.

“A maioria das pessoas aqui de Salvador empreendem por necessidade”, afirma Dias. Segundo a jornalista, “sem acesso à educação empreendedora, elas empreendem de forma ainda muito desorganizada. Meu propósito é trazer um pouco desses insights para que as pessoas possam escalar seu negócio”.

Para ampliar esse modelo, o perfil tem atuado com a organizações que mantém iniciativas de empreendedorismo. Entre elas, figuram nomes como Fundação Telefônica Vivo, Pense Grande, Movimento Black Money, Desabafo Social, Mascavo Criativo, Afroempreendendo, Wakanda Warriors e Vale do Dendê.

View this post on Instagram

⁣⁣Trabalhar, dar conta da criação de filhos, hidratar os cabelos e ainda estar de bem com os boletos não é nada fácil. Principalmente quando falta apoio e as responsabilidades não são divididas. ⁣⁣ ⁣⁣ Se você vive o desafio de ser mãe solo, se liga nessa listinha marota que fiz pra te ajudar a passar pelos perrengues e manter sua saúde financeira: ⁣⁣ ⁣⁣ 1 – Planejamento e organização mamãe! Coloque na ponta do lápis (planilha, caderninho ou app) seus ganhos e gastos. Tendo noção do quanto entra e sai do caixa, é mais fácil perceber o quanto precisa ou pode economizar.⁣⁣ ⁣⁣ 2 – Colchãozinho de emergência – Imprevistos acontecem e quando se tem filhos nem se fala. Então é bom ter graninhax de reserva. O ideal é guardar de 15% a 20% da renda. Mas se não der, comece aos poucos e vai ajustando o orçamento. Com esse colchão você vai dormir beeem mais tranquila.⁣⁣ ⁣⁣ 3 – Não dá pra comprar tudo! Estipule prioridades financeiras e mantenha o foco. Diferencie necessidades daquilo que é só desejo. Eu sei que dá aquela apertada no core quando o filho pede um brinquedo novo. Mas aja com a razão, se não puder gastar, não compre. ⁣⁣ ⁣ 4 – Seja criativa e encontre formas de ganhar dinheirinhos a mais. Quem sabe vender algo feito por você mesma ou itens que não usa mais. Pense em como você pode dar um up no seu orçamento e se joga.⁣⁣ ⁣⁣ 5 – Economia solidária é uma boa – Pergunte aos migox e familiares que também tem filhos ou grupos em redes sociais se alguém está vendendo ou se desfazendo de itens (rola até trocas). Você vai economizar e ainda contribuir com o consumo consciente, não é tudoo?! ⁣⁣ ⁣⁣ 6 – Lazer que cabe no bolso – Pense em alternativas aos rolês caros. Que tal piqueniques no parque, visitinha na biblioteca, sessão de cinema em casa, uma noite do pijama, produção caseira de cupcake…⁣⁣ ⁣⁣ 7 – Se cuida! Ser mãe solo é uma grande responsabilidade, é cansativo, rola preconceito. Por isso, tire um tempo pra você mana. Lazer, cuidados com a saúde e beleza têm que estar na sua listinha, ok?!⁣⁣ ⁣⁣ #GirlPower #Mãe #finanças #EmpoderamentoFeminino #bancos #dinheiro #economia #pop

A post shared by Graninhax (@graninhax) on

Já o Graninhax, por outro lado, mistura orientação financeira com cultura pop. Um exemplo disso são publicações como “O que os videogames te ensinam sobre finanças” e “O rolê financeiro das divas do pop”.

O perfil foi criado pelo publicitário Michel Kalil, e é agenciado pela Brunch, mesma agência da Nath Finanças.

Segundo Kalil, a pandemia fez com que “todo o cronograma de março para cá fosse completamente alterado. Com a queda de renda e incerteza, as pessoas passaram a olhar muito mais para esses gastos de água, luz e aluguel e o conteúdo de investimentos está cada vez menos receptivo”, finaliza.

Para a Brunch, o investimento em perfis do gênero é estratégico. Só o Graninhax, por exemplo, já realizou parcerias com marcas do próprio segmento, como o Banco Next, por exemplo. Nath e Michel fazem parte de uma squad financeira dentro da agência, que conta também com os perfis Boletinhos, AfroRicas e a NoFront. Todos seguem a linha de economia da vida real, recorrentemente voltados para o público de baixa renda.

Segundo dados da própria agência, de janeiro para cá o time já faturou mais de R$ 1 milhão em contratos de publicidade.

Ana Paula Passarelli, fundadora e COO da Brunch (Crédito: Denise Tadei)

“Há muita gente falando de investimento, mas dificilmente você terá pessoas, como esses cinco perfis, que produzem finanças da vida real”, afirma Ana Paula Passarelli, fundadora e COO da Brunch. “Essas pessoas conseguem manter conversas reais, e com pessoas que estão precisando de orientação financeira”.

Há, entretanto, uma dificuldade na comercialização dos contratos de publicidade por esse setor. E o racismo, que motivou manifestações no mundo inteiro após a morte de George Floyd, é um dos maiores.

“Seu mandar um orçamento de dois criadores, com o mesmo preço, mas uma é negra e outra é branca, pedem para negociar o valor da pessoa negra. Isso ficou acentuado no mercado de finanças principalmente com a Nath”, afirma Passarelli.

Essa equipe da agência foi responsável por trabalhos com instituições como Serasa, QueroBolsa, Universidade Estácio, Marisa, NeoEnergia, Spotify, Avon, Elpais, YouTube, Natura, Cielo.

Publicidade

Compartilhe