Folha retorna ao Facebook após três anos

Buscar

Mídia

Publicidade

Folha retorna ao Facebook após três anos

Decisão do veículo vem depois de ações da rede social na adoção de medidas para combater notícias falsas e fomentar o jornalismo profissional


6 de julho de 2021 - 18h13

Facebook tem implementado medidas para combater notícias falsas e discurso de ódio (Crédito: Luca Sammarco/Pexels)

Depois de um hiato de pouco mais de três anos, a Folha anunciou a volta das postagens de links no Facebook. A suspensão das publicações na rede social foi comunicada ao público em fevereiro de 2018, sob a justificativa de que a plataforma não contava com políticas contra a disseminação de fake news, o que, de acordo com o jornal, contribuía para a diminuição da visibilidade do jornalismo profissional. Na época, a decisão foi motivada também pela mudança de algoritmo da plataforma e pela iniciativa do Facebook de privilegiar conteúdo de páginas pessoais, diminuindo a distribuição e alcance orgânico de fanpages.

Ao longo do tempo, o cenário foi se modificando, à medida que o Facebook, também proprietário do Instagram, passou a adotar medidas para evitar a circulação de notícias falsas, bem como combater discursos de ódio. Além disso, segundo matéria da própria Folha, a empresa investiu US$ 600 bilhões em mecanismos de apoio à indústria de notícias e deverá alocar mais US$ 1 bilhão até 2024. O veículo também ressalta a criação do Facebook News, espaço voltado para o jornalismo dentro da rede que ainda não chegou ao País. 

As políticas do Facebook se intensificaram em 2020, com a pandemia do coronavírus. Os esforços foram concentrados na expansão de parcerias para checagem de fatos e a empresa passou a derrubar conteúdos relacionados à saúde que contassem com informações falsas, alegando que poderiam causar danos aos usuários fora do ambiente virtual. No ano passado, o presidente-executivo Mark Zuckerberg apontou que o Facebook contava com 35 mil pessoas comprometidas com a revisão de conteúdo e implementação de medidas de segurança. 

A Folha não foi a única empresa que tomou decisões de se ausentar do Facebook. Em 2013, as Organizações Globo suspenderam a divulgação de links de matérias de títulos da Editora Globo, do jornal O Globo e do G1 em plataformas geridas por Zuckerberg. Foi alegado que usuários das redes não clicavam nos links, utilizando-as como um RSS de notícias. Apesar da ação, a companhia liberou o acesso às matérias um ano depois.

*Crédito da imagem do topo: Hitarth Jadhav/Pexels

Publicidade

Compartilhe