Estou me aposentando aos 40 anos

Buscar

Opinião

Publicidade

Estou me aposentando aos 40 anos

Nossa lembrança será mais marcada pela forma como tratamos as pessoas do que pelas promoções e conquistas que alcançamos


24 de agosto de 2020 - 13h24

(Crédito: Rudall30/ iStock)

Acabei de completar quatro décadas e já estou pensando na minha aposentadoria. E não estou fazendo isso porque estou cansado. Pelo contrário, me sinto cheio de energia. Mas justamente por isso penso tanto no dia em que vou parar. Você vai me entender ao longo deste texto.

Vamos fazer uma brincadeira: vamos fazer de conta que você vai trabalhar para o resto da vida no mesmo emprego ou negócio onde está hoje. Obviamente, até esse dia chegar você terá mudado de função algumas vezes, talvez mudado completamente o que faz e com quem trabalha. Mas seguiu na mesma organização até o fim. E quando o esperado dia de pendurar as botas chegou, seus colegas de trabalho decidiram fazer uma festa de despedida. Para essa oportunidade, eles prepararam uma homenagem seguindo um esquema parecido com o “arquivo confidencial” do Faustão, sabe? Trouxeram vários depoimentos em vídeo de pessoas que trabalharam com você ao longo dos anos. Chamaram seus pares, ex-chefes, funcionários, principais clientes, alguns fornecedores e até o pessoal da faxina do escritório. Todo mundo quis te deixar uma mensagem de adeus.

E aí? O que você gostaria de ouvir nesses depoimentos?

(se eu pudesse, deixava um parágrafo em branco aqui pra você pensar)

Provavelmente seus bons resultados de negócio serão mencionados. Talvez você até receba uma plaquinha de homenagem pelos serviços prestados. Mas eu realmente acredito que esse não será o discurso que mais te emocionará.

A gente gasta mais da metade do nosso tempo acordado trabalhando. É bastante coisa. É como se fosse mais da metade da vida. E ela corre rápido. Até que um dia a gente percebe que gastou a vida toda respondendo ligações de clientes, apagando incêndios, batendo metas e atendendo a pedidos. E vem aquela sensação de que tudo passou tão rápido que nem deu tempo de colocar algum significado nisso tudo. Para quê mesmo eu corria tanto?

O mundo dos negócios exige muito foco no momento presente e nos resultados. Os ciclos trimestrais, os fechamentos, as leituras de participação de mercado nos deixam com a sensação de que somos um jogador de futebol que está no meio da Copa do Mundo. Ninguém quer que aquele atleta se desfoque. Ele tem que pensar no hoje, no agora e dar o seu melhor. Mas penso que muitos deles, se pudessem voltar atrás na oportunidade única que tiveram, teriam feito coisas diferentes. Não teriam se dedicado menos, mas teriam aproveitado melhor a chance que tiveram. É exatamente essa a minha preocupação.

Não quero tentar agradar todo mundo para receber apenas bajulação no dia da despedida. Mas não posso deixar passar a oportunidade única de gastar a minha vida em algo que tenha um propósito, que marque as pessoas e que me deixe com aquela sensação de que “valeu a pena”. Um sentimento que não será consequência de um bônus polpudo (que certamente é bem-vindo), de um nome bonito de um cargo ou do tamanho da sala. Mas que terá mais a ver com os depoimentos do exercício que fizemos. Ouso dizer que nossa lembrança será mais marcada pela forma como tratamos as pessoas do que pelas promoções e conquistas que alcançamos.

Entre um testemunho de que “João sempre foi muito oportunista” ou um “João sempre foi um marketeiro muito humano”, certamente fico com o segundo. Entre um “João sempre dava entrevistas boas” ou um “João deixou um exemplo de integridade que nunca vou esquecer”, não tenho nem o que pensar pra escolher. Demorei um pouco pra entender isso. Mas descobri que já estou me aposentando. Não hoje, nem amanhã. Não quero dizer que estou me retirando agora. Mas que percebo que, neste exato momento, já estou construindo o legado que vou deixar quando parar de trabalhar. As memórias que você quer gravar nos outros sobre a sua carreira são construídas justamente enquanto está trabalhando, e não depois que parar.

Por exemplo: você quer ser lembrado como um profissional que trabalha com o coração? Então, por mais cheia que esteja a sua agenda, o compromisso mais importante que você deve colocar nela todos os dias é: não esqueça de demonstrar sentimentos pelos outros e pelo seu trabalho hoje. Está aí o melhor plano de previdência do mundo.

*Crédito da foto no topo: iStock

Publicidade

Compartilhe