46% dos consumidores esperam impacto social da sua marca

Buscar
background_post_patrocinado_zmes

post patrocinado

Por

46% dos consumidores esperam impacto social da sua marca

Quase metade (46%) dos brasileiros entrevistados em pesquisa acreditam que marcas têm o poder e o dever de ajudar em causas como educação, combate da pobreza entre outras dimensões de impacto social


7 de dezembro de 2021 - 0h00

Nos últimos anos, muito tem sido discutido sobre o papel das marcas na vida das pessoas e da sociedade em geral. Com a preocupação com o ESG e a mudança de cenário acelerada pela pandemia, cada vez mais consumidores esperam que as marcas se posicionem e ofereçam soluções de impacto social.

Se na Europa uma pesquisa da Global Index revelou que 64% dos internautas consideram que as marcas deveriam fazer campanhas publicitárias referentes à pandemia, na América Latina esse número aumenta.

Vamos analisar, a seguir, o impacto das marcas na transformação social e como os consumidores entendem esse fenômeno. Ao fim da leitura, vamos apresentar também ideias para que a sua marca participe mais ativamente das questões sociais.

Marcas: o poder da publicidade para abordar causas de impacto social

O cenário político e social efervescente no Brasil, na América Latina e no mundo tem influenciado a forma como as pessoas lidam com as marcas. Uma pesquisa da WMcCann revelou que o público mais jovem, especificamente aqueles que fazem parte da chamada Gen Z, são mais propensos a comprarem mais de marcas que demonstrem algum engajamento social.

A valorização do propósito da marca é uma tendência e se tornará critério para quem deseja iniciar ou manter uma relação de consumo. Assuntos como governança, economia circular e sustentabilidade, racismo e muitas outras devem entrar na pauta com mais frequência.

Ao menos é isso que revela a pesquisa da Opinion Box, de janeiro de 2021, divulgada pelo eMarketer. Cerca de 58% dos entrevistados brasileiros consideram que as marcas devem apoiar causas sociais de combate de fome ou pobreza; 53% defenderam que as marcas devem se posicionar em relação à sustentabilidade e 51% sobre a violência contra as mulheres. Além disso, 49% destacaram a causa da igualdade racial como prioritária para as marcas.

Causas sociais que devem ser apoiadas pelas marcas de acordo com internautas brasileiros

Assim, se antes uma marca era considerada estratégica por se manter aparentemente neutra frente a determinadas polêmicas, hoje a própria audiência espera um posicionamento.

Isso demonstra que não basta que as marcas participem de ações como voluntariado ou doações. Hoje, é necessário que as empresas também aproveitem o poder único da publicidade para promover e participar de causas sociais, se envolvendo mais ativamente nessas discussões.

4 dicas para envolver seu negócio no impacto social

Seja fiel aos valores da marca
Ser autêntico é fundamental para que uma marca tenha vida longa e mantenha um relacionamento duradouro com a audiência. Isso significa que as marcas não devem decidir apoiar uma causa social apenas porque os concorrentes estão fazendo isso ou porque isso parece ser estratégico. Avalie as iniciativas e permita que elas se alinhem organicamente com a missão e os valores centrais do seu negócio.

Conheça o seu público
Mais uma vez, é fundamental ouvir a audiência (por meio do social listening é bem mais fácil) e se envolver na conversa. As marcas que realmente conhecem seus clientes podem assumir posições mais fortes em causas sociais. Isso demonstra uma incrível oportunidade de se conectar mais profundamente ao público e alcançar novos clientes, o que pode desenvolver ou aumentar a fidelidade à marca.

Crie conexão e experiência
Além da autenticidade, os consumidores da geração Y e da geração Z esperam que as marcas ofereçam uma experiência personalizada, por meio de um consumo que beneficie toda a comunidade. Táticas que priorizem essa imersão tem mais potencial de manter o público engajado.

Contorne possíveis crises
As marcas devem estar preparadas para a possibilidade de desagradar e contornar situações que gerem crise. Por isso, elas precisam ter “cartas na manga” que facilitem a resposta rápida e cuidadosa, que garanta consistência nas mensagens, sem que pareçam vazias ou oportunistas.

Publicidade

Compartilhe