Facebook está disposto a abrir algoritmos a reguladores

Buscar

Mídia

Publicidade

Facebook está disposto a abrir algoritmos a reguladores

Vice-presidente de assuntos globais do Facebook, Nick Clegg, se posiciona após denunciante testemunhar que a empresa dá prioridade ao lucro antes dos usuários


13 de outubro de 2021 - 6h00

(Crédito: Shutterstock)

Um porta-voz-chefe do Facebook disse que a empresa está disposta a se submeter a uma maior supervisão para garantir que seus algoritmos estejam funcionando como pretendido e não prejudiquem os usuários. 

Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais do Facebook, defendeu as práticas de negócios da empresa contra as acusações de um denunciante de que ela colocava os lucros à frente do bem-estar dos usuários. 

Os algoritmos “devem ser responsabilizados, se necessário por regulamentação, para que as pessoas possam comparar o que nossos sistemas dizem que eles deveriam fazer com o que realmente acontece”, disse Clegg no “State of the Union” programa da CNN exibido nos Estados Unidos. 

Clegg também disse que o Facebook está aberto a mudar uma norma de 1996 da lei dos Estados Unidos que isenta as empresas de responsabilidade pelo que os usuários postam. A empresa está aberta a limitar essas proteções, “dependendo da aplicação dos sistemas e suas políticas por eles como deveriam”, disse ele. 

Na semana passada, Frances Haugen, ex-gerente de produto do Facebook, disse a um painel do Comitê de Comércio do Senado que a busca da empresa por lucros alimentou a divisão e prejudicou a saúde mental de jovens usuários. Seu testemunho veio na sequência de uma série de histórias publicadas pelo Wall Street Journal, com base em relatórios internos do Facebook que Haugen compartilhou. A profissional também enviou informações à Comissão de Valores Mobiliários. 

O depoimento deu impulso aos recentes esforços dos legisladores para aprovar uma legislação que regule mais fortemente o gigante das redes sociais. Os legisladores estão considerando projetos de lei que iriam, entre outras coisas, limitar a proteção dessas empresas contra processos judiciais e aumentar a proteção à privacidade do usuário.  

A senadora Amy Klobuchar disse que as alegações do denunciante mostram a necessidade de fortalecer a fiscalização antitruste. A democrata de Minnesota culpou a falta de ação do Congresso no lobby da indústria de tecnologia. 

“Em cada esquina que você passa, há lobistas de tecnologia, tem dinheiro jogado por eles pela cidade para que os legisladores os escutassem em vez de escutar os fatos”, disse Klobuchar no “State of the Union”.  

—Bloomberg News 

*Tradução de Advertising Age: Carolina Huertas 

**Crédito da imagem do topo: Shutterstock

Publicidade

Compartilhe