Algoritmo da Rolling Stone identifica propensão ao suicídio

Buscar

Algoritmo da Rolling Stone identifica propensão ao suicídio

Buscar
Publicidade

Mídia

Algoritmo da Rolling Stone identifica propensão ao suicídio

Projeto desenvolvido pela agência Africa, em parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV), se inspirou em casos de músicos como Kurt Cobain, Ian Curtis e Nick Drake

Inspirado na trajetória de músicos como Kurt Cobain, Ian Curtis, Nick Drake, Torquato Neto, Chris Cornell, Keith Flint e Champignon, que possuem em comum a relação com o tema depressão, e os números que indicam 1 milhão de suicídios no mundo no ano passado, a revista Rolling Stone Brasil assina o projeto Algoritmo da Vida, criado pela agência Africa em parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV). O sistema foi desenvolvido pela produtora Bizsys.

O algoritmo feito para o Twitter identifica expressões que indicam algum tipo de sintoma de depressão dos usuários em postagens públicas do microblog. Após a fase de identificação, é realizada uma checagem por uma equipe especializada para considerar contexto, ironias e recorrência de termos e periodicidade. Após isso, quando a ferramenta confirma o potencial de usuário filtrado pelo algoritmo, outro time entra em contato por meio de mensagem privada e indica o telefone do Centro de Valorização da Vida (CVV).

“A Rolling Stone, como um veículo voltado à cultura pop e, principalmente, música, lida todos os dias com a depressão ou seus sintomas. E isso é alarmante”, diz Pedro Antunes, editor-chefe da Rolling Stone Brasil. “Muitos músicos pediram ajuda nas suas músicas. Veja o caso de Kurt Cobain ou de Chester Bennington, do Linkin Park, por exemplo. Vidas chegaram ao fim de forma precoce por conta da depressão. Tudo o que pudermos fazer para diminuir esse número precisa ser nossa prioridade. É uma responsabilidade social que devemos ter. Cada vida salva é uma vitória”, completa.

O Algoritmo da Vida está em operação desde fevereiro e detectou quase 300 mil menções que potencialmente utilizam a linguagem da depressão.


21 de março de 2019 - 14h32

Inspirado na trajetória de músicos como Kurt Cobain, Ian Curtis, Nick Drake, Torquato Neto, Chris Cornell, Keith Flint e Champignon, que possuem em comum a relação com o tema depressão, e os números que indicam 1 milhão de suicídios no mundo no ano passado, a revista Rolling Stone Brasil assina o projeto Algoritmo da Vida, criado pela agência Africa em parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV). O sistema foi desenvolvido pela produtora Bizsys.

O algoritmo feito para o Twitter identifica expressões que indicam algum tipo de sintoma de depressão dos usuários em postagens públicas do microblog. Após a fase de identificação, é realizada uma checagem por uma equipe especializada para considerar contexto, ironias e recorrência de termos e periodicidade. Após isso, quando a ferramenta confirma o potencial de usuário filtrado pelo algoritmo, outro time entra em contato por meio de mensagem privada e indica o telefone do Centro de Valorização da Vida (CVV).

“A Rolling Stone, como um veículo voltado à cultura pop e, principalmente, música, lida todos os dias com a depressão ou seus sintomas. E isso é alarmante”, diz Pedro Antunes, editor-chefe da Rolling Stone Brasil. “Muitos músicos pediram ajuda nas suas músicas. Veja o caso de Kurt Cobain ou de Chester Bennington, do Linkin Park, por exemplo. Vidas chegaram ao fim de forma precoce por conta da depressão. Tudo o que pudermos fazer para diminuir esse número precisa ser nossa prioridade. É uma responsabilidade social que devemos ter. Cada vida salva é uma vitória”, completa.

O Algoritmo da Vida está em operação desde fevereiro e detectou quase 300 mil menções que potencialmente utilizam a linguagem da depressão.

Publicidade

Compartilhe

Veja também