Oliver expande atuação com Microsoft na América Latina

Buscar

Comunicação

Publicidade

Oliver expande atuação com Microsoft na América Latina

Para Raffael Mastrocolla, CEO da Oliver na América Latina, momento é de retomada de planos de negócio que haviam sido suspensos no início da pandemia

Isabella Lessa
21 de julho de 2020 - 6h00

Raffael Mastrocolla, CEO da Oliver na América Latina: digital se fortalecerá por meio de disciplinas como martech e e-commerce (Crédito: Divulgação)

A Oliver está iniciando uma nova operação para a Microsoft Latinoamérica – cliente para o qual já trabalhava por meio de unidades dedicadas em São Paulo e Fort Lauderdale – em Buenos Aires. Formada por 20 especialistas em produção digital audiovisual, a equipe portenha trabalhará no desenvolvimento de projetos digitais, live streamings, eventos virtuais, podcasts e produções de vídeo para a região.

Leandro Orella, responsável pelos negócios da Oliver para o cliente no mercado latino-americano, também estará à frente da operação argentina. Hoje, essa é a região onde a Oliver, fundada na Inglaterra, mais cresce. No primeiro semestre de 2020, a companhia conquistou a conta de Bayer Agro e ampliou participação em clientes que já faziam parte do portfólio, como o Itaú. Nesse período, foram contratados 253 profissionais (hoje, a equipe tem 410 pessoas) e a projeção de crescimento para 2020 é de 188% em relação a 2019 – entre 2017 e 2018, a expansão foi de 185%. No mercado argentino, a expectativa é de um crescimento de 181% ante 2019.

De acordo com Raffael Mastrocola, CEO da Oliver Latin America, pelo fato de todos os recursos ficarem alocados nos clientes — cada in-house é um núcleo independente, sem nenhum tipo de compartilhamento de recursos ou pessoas entre clientes, e as ferramentas são armazenadas na nuvem — a Oliver encarou com naturalidade o processo de contratações remotas.

Na visão do executivo, a pandemia fez com que muitas empresas colocassem seus processos de mudança on-hold, mas conversas iniciadas antes estão sendo retomadas. “Neste momento, vemos o mercado se reaquecendo, ainda que lentamente, em preparação para uma possível retomada no fim do ano ou no início do ano que vem. Acredito também que todos estão repensando seus modelos de negócio frente à pressão colocada pela pandemia”, afirma.

Sobre os ajustes futuros na comunicação e marketing dos clientes, Raffael prevê que o digital se fortalecerá por meio de disciplinas como e-commerce e martech, assim como a produção de conteúdo, cuja qualidade de entrega está se provando neste período.

*Crédito da imagem no topo: iStock

Publicidade

Compartilhe