Grupo Globo lança campeonato brasileiro de Counter Strike

Buscar

Mídia

Publicidade

Grupo Globo lança campeonato brasileiro de Counter Strike

O CBCS foi desenvolvido em parceria com a produtora DCSet em formato de franquia e será composto por três temporadas anuais; o lançamento será na Game XP, em julho

Luiz Gustavo Pacete
3 de julho de 2019 - 16h30

 

CS:GO representa 46% da audiência dos e-sports no Brasil (Crédito: Reprodução)

Após a parceria com RFRSH na realização do BLAST Pro Series São Paulo, torneio de Counter Strike CS:GO, em março deste ano, o Esporte Grupo Globo está ampliando sua participação na realização de torneio de e-sports, desta vez com a criação do Campeonato Brasileiro de CS:GO (CBCS). Desenvolvido em parceria com a produtora DCSet em formato de franquia, o CBCS será composto por três temporadas por ano e com premiação e bônus de participação que somam R$ 800 mil e vaga na StarSeries, um dos principais torneios do mundo.

O CBCS foi criado nos moldes de franquia, inspirada em referências internacionais dentro e fora do cenário de e-sports como NBA, MLS, Overwatch League e as ligas LCS (League of Legends Championship Series) e LEC (League of Legends European Championship). Ao todo, oito equipes farão parte da CBCS e serão sócias do campeonato. O início da primeira temporada vai acontecer durante a GameXP, evento de games e e-sports que acontece no Parque Olímpico, no Rio de Janeiro, entre os dias 25 e 28 de Julho.

Segundo Rodrigo Mathias, CEO da DCSet Group, “o investimento da companhia em games tem como objetivo ampliar sua atuação de liderança no mercado de entretenimento e colaborar no desenvolvimento da indústria na América Latina. Estruturar o mercado de uma das principais comunidades no Brasil, o Counter-Strike, investindo na profissionalização da modalidade por meio de campeonatos e clubes é o compromisso do grupo no CBCS”.

Todos os jogos do serão realizados presencialmente no estúdio da produtora, em São Paulo, e serão transmitidos ao vivo pelos canais SporTV, além das demais plataformas de streaming CBCS. “É mais um passo neste caminho do desenvolvimento dos eSports no Brasil. Seguimos investindo consistentemente em iniciativas que agregam valor ao universo gamer, e faltava um campeonato à altura do CS:GO, uma das maiores, mais antigas, e mais apaixonadas comunidades dos eSports”, afirma Leandro Valentim, head de Novos Negócios do Esporte Grupo Globo, que lidera as iniciativas de eSports do Grupo.

Os e-sports tornaram-se uma modalidade estratégica dentro do grupo. Com uma audiência no Brasil estimada em 30 milhões de pessoas até 2021, os e-sports devem movimentar R$ 1,5 bilhão no País nos próximos dois anos. Para debater os assuntos envolvendo a competição e representar os interesses dos clubes, também foi criada a ABCS – Aliança Brasileira de Counter-Strike -, entidade formada pelos clubes que fazem parte do CBCS e que permite a eles uma auto-regulação dos campeonatos e eventos que fazem parte do calendário

Em entrevista ao Meio & Mensagem, em dezembro do ano passado, Roberto Marinho Neto, que lidera o esporte do Grupo Globo, ressaltou a importância do eSports para o grupo em negócios que já atraiu marcas como Gillette, Coca-Cola, Ponto Frio, Sky, Net, Burger King e muitas outras. “Não tem como um grupo de mídia estar fora dessa indústria hoje. Uma audiência jovem, super engajada. Desde que começamos a estudar esse ecossistema, há quatro anos, identificamos que era uma indústria com potencial de ser como os esportes olímpicos onde você tem natação, vôlei e outras modalidades, afirmou.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • games

  • e-sports

  • Grupo Globo

  • Counter Strike

  • CSGO

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”