NY Times registra queda de audiência

Buscar
Publicidade

Mídia

NY Times registra queda de audiência

Abril foi menos impactante do que março em notícias, mas sites de outros jornais têm mantido nível de acesso


12 de maio de 2011 - 11h34

O modelo de pagamento pelo conteúdo criado pelo site do jornal The New York Times no final de março continua a prejudicar o tráfego para o veículo, mas, talvez, dentro de níveis que ainda podem ser aceitáveis.

Do ponto de vista das páginas de todos os sites de jornais mais visitados nos Estados Unidos, a participação do NY Times caiu de 13% em março para 10,6% em abril, o que é a menor participação em 12 meses, conforme os últimos dados da ComScore. As page views de março a abril caíram 24,4% no site do jornal. Mas, fazer a comparação ano a ano talvez seja desaconselhável porque a ComScore adotou uma metodologia diferente em maio do ano passado.

O NY Times aponta que alguns outros sites noticiosos registram queda grande de audiência após os grandes eventos de março como o terremoto e tsunami no Japão. O Yahoo News, por exemplo, teve queda de 23,9% em page views e o MSNBC.com caiu em 21,4%, conforme um porta-voz do NY Times. Contudo, esses sites estão na categoria de notícias gerais da ComScore, e não na categoria jornais.

O porta-voz do jornal diz que, quando se analisa esses números, parece que houve um declínio da notícia. “Apesar disse, e dado que este é o primeiro mês em que você pode ver os padrões de tráfego desde o lançamento do sistema de assinaturas, esses números realmente são melhores do que as nossas projeções internas”, afirma a fonte. Para o porta-voz, “apesar da importância da notícia, o que não pode ser menosprezado, mantivemos nossa classificação em termos de usuários únicos e page views e isso é importante. Para nós, esses indicadores são muito fortes e estamos satisfeitos”, afirma.

Break even

Para um analista, o modelo pago do NY Times pode ser útil: “O modelo sugere que, mesmo que o NY Times perca 20% do tráfego na internet, seria necessário adicionar mais 107 mil assinantes para atingir o break even”, diz em nota aos investidores o funcionário do Citi, Leo Kulp.

Durante sua teleconferência sobre os resultados do primeiro trimestre, o grupo Times Co. informou que já havia conquistado 100 mil assinantes para o novo modelo de conteúdo pago. Esse número não inclui os assinantes do papel e também os que têm livre acesso ao jornal digital e tampouco aqueles grandes usuários que se beneficiam de acesso livre por cortesia. No entanto, o número contabiliza os usuários que pagam apenas US$ 0,99 para assinaturas de entrada nas quatro primeiras semanas. “Enquanto não sabemos quantos desses assinantes apenas testam o serviço e não se converterão em usuários definitivos, assumimos que são de longo prazo”, diz Kulp.

“Com base nas nossas projeções, acreditamos que o conteúdo pago do NY Times está se aproximando do equilíbrio apenas com os assinantes adicionados nas três primeiras semanas pós-lançamento”, continua a nota do Citi. “Provavelmente, o NY Times registrará aumento de receitas provenientes dos 100 mil assinantes sob o patrocínio da Lincoln, bem como o aumento das assinaturas impressas pós-lançamento do site pago, o que é importante porque a versão impressa ainda é muito rentável”, analisa a nota do Citi.

Do Advertising Age.

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • STF arquiva inquérito contra big techs por manifestação contra PL das fake news

    STF arquiva inquérito contra big techs por manifestação contra PL das fake news

    Google e Telegram foram acusadas de suposta campanha abusiva contra o PL das Fake News ao se manifestarem contra a proposta em suas plataformas

  • Em parceria com Smart Fit, b.drops leva OOH a academias

    Em parceria com Smart Fit, b.drops leva OOH a academias

    Empresa deve instalar, até outubro, 5 mil telas em unidades da rede, inaugurando a vertical Health