MiniCom e Anatel avaliam caso BBB

Buscar
Publicidade

Mídia

MiniCom e Anatel avaliam caso BBB

Suposto estupro no reality leva governo a considerar abertura de processo contra TV Globo


18 de janeiro de 2012 - 4h53

*Por Rodrigo Manzano – atualizada às 17:13

O Ministério das Comunicações pediu à TV Globo nesta quarta-feira, 18, cópia da programação transmitida nos dias 14 e 15 para verificar se a emissora veiculou o suposto caso de violência sexual contra uma participante do Big Brother Brasil (leia mais sobre essa polêmica aqui). O ministério solicitou, ainda, que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), responsável pela regulação das TV por assinatura, também verifique se o conteúdo foi veiculado na TV paga.

Procurada, a Central Globo de Comunicação declarou que não recebeu nenhuma notificação até o momento e reforçou, ainda, que "as imagens em questão não foram exibidias na Globo, mas no pay-per-view – sendo agora exibidas nas emissoras concorrentes."

De acordo com comunicado oficial do ministério, “As imagens serão analisadas e, se estiverem em desacordo com as finalidades educativas e culturais da radiodifusão e com a manutenção de um elevado sentido moral e cívico, não permitindo a transmissão de espetáculos, trechos musicais cantados, quadros, anedotas ou palavras contrárias à moral familiar e aos bons costumes, expondo pessoas a situações que, de alguma forma, redundem em constrangimento, ainda que seu objetivo seja jornalístico (…) será instaurado Processo de Apuração de Infração neste ministério, cujas sanções cabíveis incluem a interrupção dos serviços”. 

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Como os brasileiros utilizam as redes sociais?

    Como os brasileiros utilizam as redes sociais?

    Levantamento da Brain investigou hábitos de consumo de redes sociais entre diversas faixas etárias; WhatsApp é o app líder entre todas as gerações

  • Paramount+ segue os demais streamings e reajusta preço no Brasil

    Paramount+ segue os demais streamings e reajusta preço no Brasil

    Após ter aumentado assinatura no mercado norte-americano, plataforma também terá novos valores no País a partir de setembro