Estética feminina sob a ótica da geração Z

Buscar

Marketing

Publicidade

Estética feminina sob a ótica da geração Z

Estudo revela o que as jovens brasileiras pensam sobre a beleza

Roseani Rocha
6 de janeiro de 2017 - 8h00

GeracaoZ_Menina_Fotolia_575

Tomar decisões respeitando acima de tudo os próprios gostos é o que mais vale para as meninas da geração Z, no que diz respeito aos procedimentos de beleza (Crédito: fotolia.com/andreaxt)

O Instituto QualiBest acaba de divulgar os resultados de um estudo que interessa particularmente a marcas e agências que lidem com o universo dos produtos e serviços de beleza. A pesquisa, conduzida com 1.327 participantes das classes A, B e C, de todas as regiões do País, envolveu 692 jovens entre 13 e 20 anos de idade e 635 mulheres da geração X, nascidas a partir de 1970. Mas o objetivo da participação destas últimas era justamente fazer o contraponto, para analisar as diferenças entre o que elas e a nova geração de brasileiras pensam sobre a beleza e a estética feminina.

Entre as conclusões do estudo, está o fato de que as também chamadas “nativas digitais” entendem que há diferentes padrões do que seja belo e feio, para elas, é o que pode vir do olhar do outro, como preconceito e insultos. Elas também não gostam de seguir padrões, preferem mudar roupas, estilo e cabelos e neste último caso, em particular, curtem experimentações para não enjoar de si mesmas: 49% adoram mechas e cabelos coloridos, 36% deixariam loiro; 25% delas já pintam os cabelos, na maioria dos casos (78%) para mudar e inovar o visual e, em menor proporção (22%) para radicalizar e romper padrões.

As também chamadas “nativas digitais” entendem que há diferentes padrões do que seja belo e feio

Também não querem se sentir presas a bandeiras: 91% acham que cada um deve arrumar o cabelo como se sentir bem, 8% acham que as mulheres de cabelo crespo devem assumi-lo porque é lindo e para 1% alisar o cabelo é importante para a mulher ser mais bem aceita na sociedade. Resumo: liberdade acima de tudo.

Enquanto 70% das mulheres da geração X ficariam tristes se alguém as achasse feias ou acima do peso, 53% da geração Z se sentiriam ofendidas. Outro fato que comprova a maior dependência das mulheres mais velhas à indústria da beleza é o fato de elas dedicarem mais dinheiro a esse tipo de cuidado (veja quadro abaixo). Apesar disso, não é pequeno o valor dedicado ao assunto pela geração Z, que começa a fazer experimentações bem mais cedo: 67% das entrevistadas fazem design de sobrancelha, tendo começado a fazer este procedimento aos 14 anos em média. Na geração X, a média foi aos 23 anos.

Elas também não gostam de seguir padrões, preferem mudar roupas, estilo e cabelos

O comportamento mais precoce da geração Z também se repete para outros tipos de cuidado, como manicure, depilação e outros tratamentos para os cabelos – 28% das jovens da geração Z fazem escova progressiva e começaram, em média, aos 13 anos de idade, já na geração X, isso ocorreu aos 21 anos. Entre as que fazem progressiva, 46% declararam ter aderido ao procedimento por achar que combina com elas, contra 29% da geração X.

Segundo Daniela Chammas Daud Malouf, diretora do QualiBest, além de questionários quantitativos online, o estudo utilizou técnicas como abordagens por meio de blogs e diários digitais, netnografia no Facebook, vídeos, WhatsApp e análise semiótica.

 

GeraçãoZ_Meninas_Tabela

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Daniela Chammas Daud Malouf

  • Qualibest

  • Beleza

  • estética feminina

  • Geração Z

  • Mulheres

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”