Google contrata Michel Temer para mediar debates sobre regulação das big techs

Buscar

Google contrata Michel Temer para mediar debates sobre regulação das big techs

Buscar
Publicidade

Mídia

Google contrata Michel Temer para mediar debates sobre regulação das big techs

Ex-presidente foi escolhido como consultor especial para estreitar o diálogo junto ao poder público a respeito do Projeto de Lei 2630, conhecido como PL das Fake News


30 de junho de 2023 - 13h59

O Google contratou o ex-presidente da República, Michel Temer, para mediar a interlocução com o poder público em relação às questões que envolvem o Projeto de Lei 2630/2020, que ficou popularmente conhecida como a PL das Fake News, e que visa estabelecer diretrizes para a atuação das big techs no País.

A notícia da contratação de Temer foi dada em primeira mão pela jornalista Patricia Campos Mello, na Folha de S.Paulo e, posteriormente, confirmada pela reportagem de Meio & Mensagem.

À respeito do assunto, a área de comunicação do Google enviou um posicionamento em que não cita o nome do ex-presidente, mas afirma que a empresa contrata “agências e consultores especializados para ajudar na mediação dos nosso esforços de diálogo com o poder público.” Veja, abaixo, a íntegra do comunicado do Google:

“Assim como outras empresas e entidades, contratamos agências e consultores especializados para ajudar na mediação dos nossos esforços de diálogo com o poder público para podermos levar nossas contribuições a políticos e parlamentares, especialmente, em questões importantes e técnicas como a construção de novas legislações.”

Por que o Google contratou Michel Temer?

De acordo com apurações da reportagem, o ex-presidente Michel Temer é visto por parte da diretoria do Google no Brasil como uma pessoa com bastante articulação entre o poder público, em diferentes partidos, e que, por isso, poderia ter um papel importante na manutenção do diálogo entre a big tech e a Câmara e Senado, responsáveis pela tramitação do Projeto de Lei.

Na prática, o ex-presidente tem a missão de auxiliar na conexão entre a diretoria do Google e autoridades da esfera política para que possam ser debatidos pontos de interesse da empresa que envolvam a PL das Fake News.

A reportagem de Meio & Mensagem apurou que, nessas primeiras três semanas desse trabalho de consultoria especial, Michel Temer auxiliou na articulação de uma reunião entre representantes do Google e o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), relator da Proposta de Lei.

O Google e a PL das Fake News

Na noite de 2 de maio, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) comunicou o adiamento da votação do Projeto de Lei 2630/2020. Ainda não há uma nova data para a votação do projeto na Câmara.

Antes, havia sido aprovado o regime de urgência para a votação, mas o adiamento foi feito a pedido do próprio relator do projeto, Orlando Silva.

Pouco antes desse adiamento da votação, o Google havia intensificado seu posicionamento a respeito de alguns pontos do projeto de Lei que julga serem desfavoráveis.

O texto final da proposta, apresentado por Orlando Silva em abril, foi motivo de muita discussão. Um dos pontos mais debatidos foi a criação de uma entidade reguladora autônoma que seria responsável pela fiscalização do cumprimento da lei. A existência da entidade foi criticada pelas big techs e retirada do texto final.

No fim de abril, a empresa de tecnologia publicou uma carta aberta, em seu blog oficial, apontando que, em sua visão, as consequências do texto do PL representariam retrocesso para a internet aberta no Brasil. Entre os pontos citados, estavam o impacto econômico para pequenas e médias empresas e ameaça à liberdade de expressão e política.

Publicidade

Compartilhe

Veja também