Como funciona uma agência de “modelos” animais?

Buscar

Comunicação

Publicidade

Como funciona uma agência de “modelos” animais?

Especializada no agenciamento de pets para trabalhos publicitários, Pet Model Brasil abre unidade em São Paulo

Bárbara Sacchitiello
12 de setembro de 2017 - 7h12

Portfólio de trabalhos da agência (Crédito: Divulgação)

A relação afetuosa entre os seres humanos e os animais já vem sendo explorada pela publicidade há décadas. Mesmo com novas tendências de comunicação e canais múltiplos para levar a mensagem ao público, as marcas continuam cientes de que pouca gente resiste ao charme e a fofura de cães, gatos e outros animais em comerciais e campanhas publicitárias.

“O convencimento é o maior poder dos pets em comerciais. Eles são parte de uma relação muito especial na vida das pessoas e muitas marcas exploram esse laço, utilizando diversos pets em comerciais. Além disso, animais não necessitam de maquiadores, figurinistas, produtores de elenco. Por isso os custos são menores. Eles só precisam estar de banho tomado na locação – claro que, sempre acompanhados de seus tutores e de um supervisor que irá orientar e garantir o bem-estar do bichinho”, conta Thaís Amorim, gerente geral da Pet Model Brasil.

No mercado há oito anos, a empresa, de origem curitibana, abriu sua primeira loja física no País, na cidade de São Paulo. Até então, a agência realizava seus trabalhos por meio de atendimento online e já selecionou animais que participaram de campanhas de marcas como Itaú, Banco do Brasil, Getty Images, Gol e outras. Agora, além do agenciamento de pets para campanhas publicitárias, a Pet Model também promoverá workshops e eventos voltados ao segmento pet, uma das áreas da indústria com maior potencial de crescimento no País. “A cidade de São Paulo concentra o maior mercado pet e publicitária do Brasil. Nossa operação facilita o trabalho de agências de publicidade, produtoras e clientes. Queremos estar em contato direto para poder profissionalizar o mercado, atuando como mediadores diretos em produções que envolvam a presença de pets”, conta a gerente geral.

A seleção dos modelos pela empresa têm características similares às agências de modelos humanos. A Pet Model possui olheiros que acompanham os perfis de Instagram e Facebook e entram em contato com os donos de animais que julgam ser mais fotogênicos. Os donos interessados em tornar seu pet um astro dos comerciais podem fazer um cadastro na agência. As agências e anunciantes interessados em fazer algum trabalho com um animal têm, então, um book a disposição. “Temos em nosso elenco animais de diversas espécies e raças, como aves de rapina, cachorros, calopsita, cavalos, chincilas, coelhos, corujas, gatos, mini pigs, répteis e roedores. Os animais mais procurados, no entanto, são gatos, cachorros e aves”, revela Thaís.

Além de facilitar agências e produtoras a encontrarem os animais adequados para as campanhas e trabalhos artísticos, a Pet Model Brasil também pretende auxiliar na profissionalização do mercado pet. “Queremos orientar produtores em qualquer região do País sobre comportamento animal e como trabalhar com pets em cena ou em eventos corporativos, garantindo a segurança e bem-estar. Iremos oferecer cursos, palestras e workshops a fotógrafos, adestradores, monitores e também para tutores de animais, além de promover eventos voltados ao segmento”, conta.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Agencias

  • Animais

  • Campanhas

  • comerciais

  • Pet Model Brasil

  • Pets

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”