Spcine, O2 Filmes e Hacklab anunciam serviço de streaming

Buscar

Mídia

Publicidade

Spcine, O2 Filmes e Hacklab anunciam serviço de streaming

Projeto tem objetivo de tornar-se janela de exibição para filmes nacionais

Guilherme Fernandes
21 de novembro de 2016 - 17h17

A Spcine anunciou na semana passada uma plataforma própria de vídeo on demand, com foco em criar uma nova janela de exibição para filmes brasileiros independentes. Chamado de SPVOD, o serviço de streaming foi divulgado durante o Encontro Spcine, ocorrido na cidade de São Paulo.

Sessão do circuito Spcine, com presença do prefeito Fernando Haddad (crédito: Leon Rodrigues/divulgação)

Sessão do circuito Spcine, com presença do prefeito Fernando Haddad (crédito: Leon Rodrigues/divulgação)

Empresa municipal de cinema e audiovisual de São Paulo, a Spcine é a coordenadora e investidora inicial do SPVOD. O projeto tem parceria da Hacklab para desenvolvimento tecnológico e da O2 Play, braço da O2 Filmes para distribuição em plataformas de VOD, para operação. Segundo Igor Kupstas, diretor da O2 Play, será lançada uma versão para testes com dez longas-metragens em janeiro de 2017. O lançamento oficial está condicionado ao resultado e aceitação do mercado.

Na ocasião do evento, Alfredo Manevy, diretor-presidente da Spcine, declarou que a plataforma era a peça que faltava no trabalho realizado pela prefeitura junto ao setor audiovisual. No balanço sobre os 22 meses de atuação da empresa feito durante o Encontro, Manevy destacou as ações da Spcine para os diferentes segmentos da cadeia audiovisual paulistana.

O circuito Spcine já é a sexta exibidora da cidade de São Paulo, em número de salas

Uma dessas frentes é a São Paulo Film Commission, que agilizou produções ao centralizar e articular pedidos de filmagem na capital junto a outros setores da prefeitura, como a Companhia de Engenharia de Tráfego e as subprefeituras. As autorizações passaram a correr mais rapidamente — até três dias úteis para publicidade e até oito dias úteis para demais obras. Para Mauro Garcia, presidente executivo da Brasil Audiovisual Independente, o trabalho da Spcine se tornou referência para todo o Brasil por obter respaldo institucional da prefeitura.

Paulo Schmidt, presidente da Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais, comenta que a atuação da Spcine estancou o êxodo de produções publicitárias paulistas para outras cidades e países vizinhos, como Uruguai e Argentina. “Por muitos anos a procura de locações para projetos audiovisuais internacionais priorizou o estado do Rio de Janeiro. Em 2015, o quadro se alterou, com o estado de São Paulo respondendo por 53% do total destas filmagens”, afirma Schimdt, com base em dados da Agência Nacional do Cinema (Ancine).

A empresa municipal também montou uma rede de 18 salas de cinema gratuitas em CEUs e equipamentos da cidade, em locais com pouca infraestrutura cultural. Até o final do ano, serão 20 salas, que apresentam desde blockbusters até filmes nacionais e infantis.

Manevy também lembrou os editais lançados para diferentes  formatos, como TV, cinema e games, e a facilitação da entrada de recursos da Ancine na cidade. “A entidade foi indutora do cinema, mas não conseguiu se organizar para a TV e deixou uma lacuna para o segmento”, opina Garcia.

Leia matéria analítica e completa sobre o assunto na edição 1737, de 21 de novembro, exclusivamente para assinantes do Meio & Mensagem, disponível nas versões impressa e para tablets iOS e Android.

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Alfredo Manevy

  • Igor Kupstas

  • Spcine

  • O2 Filmes

  • Hacklab

  • streaming

  • VOD

  • plataforma de streaming

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”