Hysteria lança plataforma de conteúdo produzido por mulheres

Buscar

Mídia

Publicidade

Hysteria lança plataforma de conteúdo produzido por mulheres

Núcleo de curadoria e produção da Conspiração Filmes, formado por uma rede de produtoras, diretoras, roteiristas e criativas, lança este mês um site colaborativo de conteúdo multimídia

Karina Julio
21 de novembro de 2017 - 16h18

A boa intenção de trazer diversidade para o conteúdo é louvável, mas deve estar refletida também nos olhar criativo. É para suprir a necessidade de mulheres nas tomadas de decisões criativas que a Conspiração Filmes lança oficialmente a Hysteria, divisão de produção de conteúdo formada por diretoras, produtoras e jornalistas. O coletivo apresenta este mês sua primeira plataforma, um site multimídia divididos nas seções Ver, Ler e Ouvir. Webséries, curtas metragens, reportagens, podcasts e playlists concebidos e realizados por mulheres já podem ser acessados na página.

O núcleo Hysteria tem o objetivo de criar um ecossistema de apoio à projetos concebidos e realizados por mulheres, não necessariamente sobre temas femininos. Em processo de organização desde o início do ano, o grupo conta com um time fixo de 10 profissionais da produtora e mais de 500 parceiras, entre roteiristas, diretoras, youtubers, designers, jornalistas, entre outras especializações.

A atriz Maria Ribeiro estrela a websérie Tudo. Foto: Divulgação

Renata Brandão, CEO da Conspiração, explica que a criação da Hysteria veio da necessidade de se ter conteúdo concebido, realizado e com curadoria de mulheres, sem estereótipos e limitações. “Num processo autocrítico, percebi um número grande de mulheres dentro da produtora e do nosso mercado com grande potencial autoral, mas com pouca autonomia ou oportunidades reais”, disse ela.

Entre os programas originais da nova plataforma, estão Tudo, websérie em que a atriz Maria Ribeiro aborda assuntos que vão de casamento à Coreia do Norte, e Alerta de tubarão, em que a fundadora do YouPix Bia Granja entrevista influenciadoras especializadas em diferentes temas. Hysteria traz também coproduções, como a segunda temporada da série online “Nosso amor a gente inventa”, apresentada por Sarah Oliveira.

Filmes e séries de ficção, publicitários e até produções eróticas estão no radar das realizadoras. A Hysteria também tem interesse na aquisição de produtos prontos para a plataforma, como a série Curta Mulheres, já disponível no site, e em coproduções para televisão. Para o GNT, o coletivo está produzindo a série de ficção Desnude, com conteúdo sensual para mulheres. O lançamento está previsto para o primeiro semestre de 2018.

Carolina Albuquerque, diretora de criação, afirma que o coletivo está mapeando talentos com diferentes expertises e experiências para criar produtos em diferentes formatos. “Estamos de olho no mercado, mapeando o trabalho das pessoas, identificando perfis para determinados tipos de produção e conhecendo novos nomes. Isso implica em um risco, obviamente, mas precisamos assumir esses riscos para quebrar padrões de mercado e aumentar essa rede. Temos chamado as mulheres para chegar junto e pedido para que pessoas que produzem conteúdo, foto ou texto, ou mesmo que têm uma ideia e não conseguem tirar do papel, nos enviem propostas”, conta.

Transformar a Hysteria em negócio, com projetos para marcas e veículos já estabelecidos, além dos projetos autorais, é um dos objetivos do grupo. “Tínhamos esse desejo de criar um espaço para juntar mulheres, atrizes, youtubers, negras, brancas, feministas e outras nem tanto, e ao mesmo tempo estruturar algo que acreditamos que é um grande negócio, afinal mulher é um grande personagem para marcas e saber falar com ela é cada vez mais importante. Todo mundo está pensando em como falar e se relacionar com a mulher, e acredito que vamos criar uma inteligência que vai ser muito valiosa”, acrescenta Isabel De Luca, diretora editorial.

Masp e Google estão entre as primeiras marcas parcerias para os próximos anos, para realização de projetos de branded content: para o Masp, a Hysteria documentará o processo criativo de estilistas e artistas famosos na criação das peças. Já para o Google,  fará uma série sobre mulheres empreendedoras.

Projetos de áudio e texto incluem a curadoria de textos e reportagens em sites e coletivos de mulheres, além da produção de podcasts e playlists. No podcast “Rascunhos Esquecidos de Uma Caixa Sem Saída”, as atrizes convidadas – Debora Bloch, Mariana Ximenes e Marina Lima, entre outras – leem uma emocionante compilação de e-mails anônimos jamais enviados. Hysteria também ganhou uma música e videoclipe originais com a cantora Leticia Novaes, a Letrux.

O grupo também projeta a expansão da Hysteria para projetos físicos, já planejando seu primeiro festival de música, o Festival Hysteria. O evento com curadoria de Claudia Assef e Lalai persson reunirá shows em praças, bares e clubes de São Paulo em 2018.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Conspiração

  • feminismo

  • Google

  • Hysteria

  • Maria Riberio

  • MASP

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”