Número de mulheres em cargos de nível executivo aumenta 40%

Buscar

Marketing

Publicidade

Número de mulheres em cargos de nível executivo aumenta 40%

Relatório da Bloomberg aponta ainda que 60% das companhias analisadas realizam revisões para identificar variações salariais baseadas em gênero


17 de janeiro de 2019 - 12h00

O Gender-Equality Index (GEI) 2019, realizado pela Bloomberg, selecionou 230 empresas comprometidas em serem transparentes em suas comunicação de gênero e em avançarem na igualdade entre homens e mulheres no ambiente de trabalho. O relatório, que permite que as empresas divulguem voluntariamente informações sobre como se engajam diariamente nessa conversa, afirma que 60% das companhias realizam revisões para identificar variações salariais baseadas em gênero, a fim de reduzir a diferença — que, em média, é de 20%.

 

“Maior transparência em torno da inclusão, no local de trabalho, ajuda as empresas a demonstrarem responsabilidade perante seus funcionários, investidores e comunidades”, disse Peter Grauer, chairman da Bloomberg (crédito: RawPixel/Pexels)

Desde o ano passado, o relatório mais que dobrou de tamanho e, em sua mais recente edição, passa a incluir companhias de dez setores, sediadas em 36 países e regiões. Coletivamente, essas empresas possuem uma capitalização de mercado de US$ 9 trilhões e empregam mais de 15 milhões de pessoas, incluindo 7 milhões de mulheres.

O estudo analisa as empresas por meio de quatro áreas: estatísticas da companhia; políticas; envolvimento da comunidade; e produtos e serviços. As companhias que apresentam notas acima de um limite estabelecido globalmente, com base na extensão de suas divulgações, na obtenção dos melhores números e na conquista de políticas adequadas à categoria, são incluídas no GEI. Todas as empresas públicas podem enviar dados para a Bloomberg. Aquelas com títulos listados em uma bolsa de valores dos Estados Unidos e com capitalização de mercado de US$ 1 bilhão ou mais são elegíveis para inclusão no índice.

Segundo Peter Grauer, chairman da Bloomberg, maior transparência em torna da inclusão, no local de trabalho, ajuda as empresas a demonstrarem responsabilidade perante seus funcionários, investidores e comunidades. O profissional explica que o índice auxilia que as companhias meçam e gerenciam a igualdade de gênero em todas suas ações e negócios. “Também proporciona a essas organizações líderes uma oportunidade de inspirarem-se e desenvolverem melhores práticas”, acrescenta.

De acordo com dados do GEI, o número de mulheres em cargos de nível executivo aumentou em 40%, entre os anos fiscais de 2014 e 2017. Além disso, 34% das empresas possuem programas para recrutar mulheres que desejam retornar ao trabalho depois de uma pausa na carreira, e 68% das companhias analisam se seus conteúdos de publicidade e marketing afirmam preconceitos de gênero antes de serem publicados.

“Estamos animados com o crescimento do índice, o que demonstra que, em todo mundo, mais organizações estão priorizando a transparência e a igualdade no local de trabalho”, disse Kiersten Barnet, manager do GEI.

*Crédito da foto no topo: RawPixel/Pexels

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Peter Grauer

  • Kiersten Barnet

  • Bloomberg

  • gênero

  • igualdade de gênero

  • Bloomberg

  • Gender-Equality Index

  • Igualdade salarial

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”