Privacidade do consumidor: qual o impacto no marketing para 2023?

Buscar

Privacidade do consumidor: qual o impacto no marketing para 2023?

Buscar
Publicidade

Mídia

Privacidade do consumidor: qual o impacto no marketing para 2023?

Com as mudanças de privacidade da Apple e o TikTok ganhando mais força como plataforma, a importância dos dados móveis primários aumentará


29 de novembro de 2022 - 6h00

Pessoa em frente a um computador

Cabe a todos nós desenvolvermos tecnologias responsáveis ​​que tenham um impacto positivo nas pessoas, negócios e sociedades em todo o mundo (Crédito: lagos techie/unsplash)

Por Abhay Singhal (Ad Age)

Será que a Apple poderá recorrer ao framework App Tracking Transparency e o SKAdNetwork 4.0 para ajudar a empresa? Com 2023 no horizonte, os executivos do setor estão tentando gerar receita no final do ano ou solidificar a forma como começam o ano que está por vir. Como um veterano de 15 anos nesta indústria em nível global, com dispositivos móveis na vanguarda, aqui está minha opinião. No mais macro dos problemas, a indústria está finalmente decifrando o impacto total das medidas de privacidade do consumidor em andamento da Apple.

O relatório de benchmark da Appsumer sugere que o negócio de publicidade de busca da Apple lucrou com suas próprias medidas de privacidade, dando à emoresa o impulso necessário antes do lançamento de sua própria plataforma. As restrições de privacidade que foram implementadas há mais de um ano, projetadas para o bem-estar do consumidor e troca de valor, provavelmente farão mais para ajudar as grandes empresas de tecnologia a consolidar o controle. Aqui estão outras previsões para 2023:

TikTok à dentro

Os mercados livres serão seriamente testados no próximo ano. Assim como o Facebook, o TikTok ocupa um espaço semelhante na mente coletiva do consumidor. É divertido, interativo e prioriza as conexões das pessoas em primeiro lugar. O potencial de um vídeo “viralizar” atrai usuários todos os dias. Mas sob a superfície e por trás dos algoritmos estão as preocupações com desinformação, conteúdo e supressão e privacidade do usuário.

Em termos de supressão, mais usuários estão levantando bandeiras vermelhas sobre quais tópicos, palavras-chave, frases e perfis de usuários enfrentam censura. Em toda a plataforma, tornou-se uma boa prática adicionar isenções de responsabilidade e pular ou reformular certas palavras-chave ou frases que podem acionar os censores do aplicativo e fazer com que criadores ou vídeos sejam analisados ou removidos da página de indicações.

O TikTok também foi acusado de coletar, alavancar e vender dados de localização e cliques no aplicativo por meio dos rastreadores da empresa. De acordo com um relatório recente, os rastreadores TikTok foram adotados por muitos dos principais editores e provedores de conteúdo, coletando endereços IP, números de identificação exclusivos, cliques registrados, entrada digitada e dados de pesquisa. À medida que essas histórias se desenrolam, é provável que vejamos um aumento do escrutínio governamental, regulatório e público da plataforma no próximo ano.

Identidade e endereçamento continuarão na moda em 2023

Algumas das mudanças que ocorrerão em 2023 são resultados naturais dentro do ecossistema de tecnologia de anúncios com base em fatores externos, incluindo uma economia em recessão, as estruturas de privacidade da Apple para iOS e a iminente depreciação de cookies de terceiros pelo Google, entre outros.

Cookies do Google

A indústria arrastou os pés no futuro sem cookies, e a resposta geral ao Privacy Sandbox do Google foi morna. É altamente possível que o Google adie ainda mais a descontinuação do cookie até 2025 para permitir a continuidade da receita. Nesse ritmo, o Privacy Sandbox para Android, que recebe uma recepção mais positiva e menos atrito, pode ser implementado no mercado antes da descontinuação de cookies de terceiros no Chrome.

Públicos definidos pelo vendedor

O pêndulo está oscilando mais uma vez para editores com maior adoção de audiências definidas pelo vendedor (SDAs), para as quais segmentam dados de audiência próprios em coortes relevantes. Isso se deve ao desaparecimento antecipado de IDs de dispositivos e à perda de escala do público comprador à medida que os sinais desaparecem. Como resultado, os SDAs de editores unificados irão azedar. Ao mesmo tempo, empresas mais independentes focadas em SDA que não possuem sua própria distribuição de kits de desenvolvimento de software serão desafiadas.

Os dados móveis primários aumentarão

É provável que vejamos ainda mais monopólios de dados no mundo dos aplicativos, à medida que a web aberta se torna significativamente mais fechada em 2023, com empresas tentando replicar dados próprios sempre que podem. Haverá mais requisitos para fazer login e mais aplicativos oferecerão incentivos e recompensas ao usuário.

Uma nova onda de superfícies evoluirá a experiência do consumidor

Os smartphones estão apenas começando a se tornar verdadeiramente inteligentes – com tecnologia e comportamento do usuário alinhados. No entanto, o processo de ser informado e entretido tornou-se mais assustador. A jornada de descoberta leva muitos cliques e alguns não são a melhor experiência para os consumidores. Haverá uma batalha pelas telas móveis, pois os consumidores receberão a tecnologia e os meios criativos para controlar sua própria experiência de tela.

A economia de superfície evitará o desperdício de tempo na tela e o processo atual de pesquisa ou download de aplicativos evoluirá para ter mais experiências pré-carregadas de telefone opcional, projetadas para tornar o acesso à Internet rápido e fácil. A Apple deu início a essa tendência com o iOS 16 e veremos a tela de bloqueio como o primeiro ponto de contato para os consumidores.

No final das contas, respeitar a privacidade do consumidor tem sido a coisa certa a fazer para promover a inovação e enriquecer ainda mais nossas vidas móveis. Cabe a todos nós desenvolver tecnologias responsáveis ​​que tenham um impacto positivo nas pessoas, negócios e sociedades em todo o mundo.

Publicidade

Compartilhe

Veja também