Pew Research publica balanço da mídia em 2016

Buscar

Pew Research publica balanço da mídia em 2016

Buscar
Publicidade

Mídia

Pew Research publica balanço da mídia em 2016

Primeira parte do State of the News Media revela que canais pagos de notícias tiveram alta de audiência e de receita nos Estados Unidos no ano passado


2 de junho de 2017 - 12h19

Um dos principais estudos sobre a saúde do mercado de produção de conteúdo jornalístico nos Estados Unidos, o State of the News Media publicou seus primeiros relatórios de 2017 (com atualizações sobre 2016) nesta quinta-feira, 1º de junho. Diferentemente das edições anteriores — o estudo é realizado pelo Pew Research Center desde 2004 –, este ano a publicação dos resultados está distribuída em várias partes, sendo a primeira sobre jornais e TV paga, com informações sobre audiência, receita e investimento em redações.

Canais de TV paga, como a CNN, tiveram bons números em 2016 graças ao noticiário político (Crédito: Reprodução)

Segundo o estudo, os jornais continuam enfrentando problemas de queda de circulação e de receita anunciante. O total, print e digital, de 2016 foi estimado em 35 milhões de jornais para dias de semana e 38 milhões para os domingos, separação comum no mercado americano, com queda de 8%, em ambos os casos, na comparação com o ano anterior. Para essas projeções, o relatório utiliza basicamente dados da Alliance for Audited Media (AAM), o que torna a medição digital mais complexa, já que muitos players grandes, como New York Times e Washington Post, também contabilizam números de forma independente, ainda que auditada. Nesse contexto, os números da AAM revelam que a circulação digital ficou estável ano passado na comparação com o ano anterior, embora tenha crescido até 11% se consideradas as pesquisas terceirizadas. O número pode fazer sentido se considerados dados de unique visitors da ComScore, que relatou crescimento de 21% em 2016 nos sites dos 50 maiores jornais do país, chegando a 11,7 milhões de pessoas.

 

Receita estimada de circulação e publicidade do mercado de jornais nos EUA (Crédito: Pew Research Center)

Em termos de receita, o total da indústria de jornais no ano passado foi de US$ 18 bilhões, queda de 10% na comparação com 2015. Um dos principais complicadores é a queda seguida de investimento anunciante, embora somente o segmento digital, isolado, tenha crescido a participação no bolo publicitário, chegando a 29% no ano passado: quatro pontos a mais que 2015 e 12 a mais que em 2011. A verba proveniente de circulação paga ficou estável, em US$ 11 bilhões.

TV paga
A televisão por assinatura focada em notícias tiveram um bom 2016 em termos de audiência. Tanto no horário nobre como no comercial, houve aumento de 55% e 36%, respectivamente, considerando a média dos três maiores canais do gênero, CNN, Fox News e MSNBC. Isso significa, por exemplo, que o horário nobre teve em média 4,8 milhões de telespectadores diários. Segundo o Pew Research Center, esses números comprovam outra pesquisa anterior, desenvolvida pelo mesmo instituto, que mostrou que entre americanos adultos (maiores de 18 anos), a TV paga foi citada como a fonte mais usada para se informar sobre as eleições, por 24% da amostra. O meio prevaleceu entre todas as faixas pesquisadas (30-49, 50-64 e maior de 65), exceto pelos mais jovens (19-29), em que 35% apontaram mídias sociais.

O crescimento da receita total de todos os canais foi estimada em 19% para 2016, chegando a cerca de US$ 5 bilhões. O dado contabilizou alta tanto em publicidade como em licenciamento de conteúdo, consideradas as principais fontes de dinheiro dos canais. A pesquisa também destacou aumento na receita dos canais americanos dedicados a noticiário econômico CNBC, Fox Business e Bloomberg.

 

Projeção combinada de receita anual dos canais de notícias dos EUA (Crédito: Pew Research Center)

O Pew Research Center se utiliza de uma série de dados, pesquisas, métricas e análises para formular anualmente o relatório State of the News Media. Entre os institutos consultados para a reunião de informações estão a ComScore, Nielsen, a Alliance for Audited Media, SNL Kagan e American Community Survey.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Fora do BBB 24, Beatriz Reis já faz ‘publi’ para a própria Globo

    Fora do BBB 24, Beatriz Reis já faz ‘publi’ para a própria Globo

    Participante do reality aparece em vídeo publicado nas redes sociais da emissora convidando o público a acompanhar as três novelas da grade

  • Músicas de Taylor Swift retornam ao TikTok

    Músicas de Taylor Swift retornam ao TikTok

    Canções da cantora estavam fora da plataforma devido a impasses em contrato de licenciamento com a Universal Music, gravadora que a representa