Justus assume erro por vídeo com Tufão

Buscar

Comunicação

Publicidade

Justus assume erro por vídeo com Tufão

Presidente do Grupo Newcomm repreende publicamente atitude da sua agência VML, que infringiu regra da Rede Globo

Alexandre Zaghi Lemos
10 de outubro de 2012 - 5h55

Roberto Justus, presidente do Grupo Newcomm, assume publicamente o erro de sua agência VML, responsável pela criação do vídeo de divulgação da promoção "Vivo Sempre Internet", protagonizado pelo ator Murilo Benício, que fala na peça como se fosse o seu personagem Tufão, da novela Avenida Brasil, da Rede Globo.

De acordo com a VML, que trabalhou na campanha em parceria com a Y&R – que tem parte da conta publicitária da Vivo –, o filme ficou no ar na internet por 18 horas entre segunda, 8, e terça, 9. Foi retirado pelas agências e o anunciante após solicitação da Rede Globo, que não fora consultada sobre a campanha e cujo regulamento de relação com o mercado publicitário não permite o uso de personagens seus em ações de marketing.
 
Consultada pela reportagem, a Rede Globo informou através da Central Globo de Comunicação que “a ação não foi autorizada e a Globo tomará as medidas cabíveis”. (Leia também: Para Globo, vídeo com Tufão foi emboscada)

Na opinião de Justus, a VML confundiu sua “expertise em comunicação digital com esperteza”. Segundo ele, as áreas de criação das agências do Grupo Newcomm trabalham sem amarras: “a ideia foi crescendo dentro da VML, acabou não passando pelas instâncias de controle do nosso grupo e foi levada ao cliente que questionou se podia usar aquela abordagem. A VML respondeu que sim, pois tinha checado com a empresária e o artista”. “Talvez nosso pessoal tenha imaginado que na internet podia. Mas está claro que não pode. Houve uma sucessão de erros que me deixa triste com a minha própria empresa”, reconhece Justus, frisando a “relação espetacular” mantida com a Rede Globo. “Sabemos de nossas responsabilidades de não violar contratos com nossos parceiros”, acrescenta.

wraps

Segundo o empresário, além de ter retirado o vídeo dos canais oficiais da Vivo assim que a Globo reclamou, sua agência está empenhada agora em impedir a reprodução em sites como o YouTube. “Reconheço nosso erro. Um grupo com a nossa experiência jamais poderia ter entrado em uma roubada como esta. Não deixaremos prejuízo financeiro para o nosso cliente”, salienta Justus.
 
Sobre o conteúdo do vídeo, ele confessa que não acha criativa “uma ideia que é óbvia”. “Não podemos ter a leviandade de achar que uma boa ideia não tem limites, pois eles existem quando se pode gerar problemas para o cliente ou quando se vai contra uma regra de um parceiro como a Globo”, ressalta.

No vídeo, Murilo Benício lê um texto com claras referências ao personagem Tufão: “Eu passei os últimos meses sendo o último a saber das coisas. O Brasil inteiro sabia, estava tudo debaixo do meu nariz e eu nem desconfiava. Acabei arrumando coisa para a minha cabeça. Enquanto o pessoal estava por dentro, eu ficava fazendo cara de bobo. Mas agora não tem mais essa não! Eu tô na internet todo dia, toda hora. Acabaram de postar uma mensagem: ‘Urgente, você tem que ver essas fotos’”. Depois de conferir as imagens no celular, Benício finaliza: “Essas fotos eu já vi”.

Após retirar o vídeo de seus canais oficiais, a Vivo postou a seguinte mensagem em sua fanpage no Facebook: “Quem viu, viu. Quem não viu, tá desconectado” – o que gerou a interpretação de que a curta veiculação fazia parte da estratégia do anunciante. No canal da marca no YouTube surgiu um novo vídeo, com a mensagem: “Procurando o vídeo da Vivo? Quem estava conectado viu”. Assista abaixo:

wraps

Apesar da retirada do vídeo dos canais oficiais da Vivo, ainda é possível encontrá-lo facilmente no YouTube:

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”