O novo recado da Amazon para Google e Facebook

Buscar

Marketing

Publicidade

O novo recado da Amazon para Google e Facebook

Companhia de Jeff Bezos deixa de investir em determinados anúncios no Google e reforça sua estratégia em tornar-se um concorrente capaz de romper o duopólio

Luiz Gustavo Pacete
14 de maio de 2018 - 7h58

As duas maiores empresas de publicidade digital atualmente são o Google e Facebook. Segundo o eMarketer, no entanto, ambas vêm perdendo parte de suas fatias para outros players como Amazon e Apple. A participação do duopólio na receita de publicidade digital dos EUA cairá de 56.8%, neste ano, para 55,8% até 2020. A participação da Amazon crescerá de 2,7%, neste ano, para 4,5% em 2020.

A eMarketer também prevê que a Amazon deve gerar US$ 3,7 bilhões em receita publicitária em 2018. O relatório de lucros da empresa, divulgado no final de abril, mostra que seu negócio de anúncios já totalizou pouco mais de US$ 2 bilhões no primeiro trimestre. E o que os números vêm mostrando em relação ao potencial de crescimento da empresa de Jeff Bezos no negócio de publicidade, se complementam com a postura da empresa em vários aspectos.

Isso vem sendo feito por meio de declarações como a de Brian Olsavsky, diretor financeiro da Amazon, durante uma teleconferência de resultados para discutir os resultados do primeiro trimestre, que afirmou que a publicidade é um dos pilares estratégicos da empresa. E também por meio de medidas práticas: na última sexta-feira, 11, informações da Bloomberg repercutidas pelo AdAge apontaram que a Amazon parou de investir em anúncios de listagem dentro do Google Shopping.

A Amazon era uma grande investidora deste formato batendo de frente diretamente com o Walmart em leilões online. A saída da Amazon desta operação foi percebida em 28 de abril pela empresa de marketing Merkle . “O ato de desaparecimento generalizado observado indica que a própria Amazon parou as campanhas do Shopping”, escreveu Andy Taylor, diretor de pesquisas da Merkle, em um blog.

Perder a Amazon é um raro revés para os anúncios do Google Shopping que tem sido um enorme sucesso financeiro. A Alphabet não divulga a receita dessa área, mas estimativas mostram que esse tipo de anúncio cresceu três vezes mais do que a taxa normal de anúncios de pesquisa de texto do Google. A Amazon comprava posições para itens como material de escritório, móveis e roupas esportivas. “Eles provavelmente investiram US$ 50 milhões por ano, mas pode ser mais do que isso”, disse Taylor.

À Bloomberg, uma porta-voz do Google, quando questionada sobre o assunto, informou que “é comum que os anunciantes ajustem suas campanhas a qualquer momento por várias razões”. A Zappos e algumas outras subsidiárias da Amazon ainda estão executando anúncios do Google Shopping. Essas unidades geralmente são executadas de forma independente da empresa principal e estavam usando os anúncios do Google muito antes de a própria Amazon começar a oferecer lances, de acordo com Merkle.

Em entrevista ao Meio & Mensagem, em março deste ano, o jornalista americano Brad Stone, autor do livro “A Loja de Tudo”, sobre os bastidores da Amazon, afirmou que a empresa é a única capaz de romper o duopólio de Google e Facebook na área de publicidade digital. “A Amazon tem vários negócios e todos são extremamente promissores. Sobre a publicidade digital, ela pode vender anúncios em seu próprio site, que aparecem quando as pessoas procuram produtos. Há muitas oportunidades lá e ela é a única empresa capaz de quebrar o duopólio de publicidade digital do Google e Facebook”, afirmou.

Com informações do AdAge

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Google

  • facebook

  • publicidade digital

  • amazon

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”