“Difícil reter talento quando não há como vivenciar a cultura”

Buscar

“Difícil reter talento quando não há como vivenciar a cultura”

Buscar
Publicidade

Comunicação

“Difícil reter talento quando não há como vivenciar a cultura”

Como parte de um board que está há mais de uma década na mesma empresa, Filipe Bartholomeu, CEO da Almap, fala sobre o desafio de reter talentos


29 de março de 2022 - 6h00

Filipe Bartholomeu, CEO da AlmapBBDO (Crédito: Arthur Nobre)

Filipe Bartholomeu entrou na AlmapBBDO em 2003 como supervisor de contas. Ao longo dos anos, passou pelos cargos de diretor de contas, vice-presidente de serviços aos clientes, diretor geral e, em maio de 2018, assumiu como CEO da agência, sua atual posição.

A trajetória longeva de Filipe não é algo incomum na agência: Luiz Sanches, chairman e CCO, tem 27 anos de casa. Marco Giannelli, o Pernil, recém-promovido a CCO, tem 13. Camilla Massari, vice-presidente de atendimento, quase dez anos.

Cerca de 90% do board de agência tem mais de 15 anos de agência, mas a organização não escapa do desafio que acomete a indústria de comunicação e tantas outras: a atração e retenção de talentos, assim como a ampliação da diversidade da equipe.

“Todo board da agência cresceu e se transformou porque comprou a proposta de valor da agência, que é fazer negócios de forma ética. Se o assistente de arte vira sócio e o redator vira CCO, essa é a prova de que não estou simplesmente contratando um figurão do mercado”, afirma Filipe.

Para atender a uma geração de talentos que está, de certa forma, indo na contramão de carreiras longas em uma única empresa, o executivo afirma que é preciso ter uma escuta atenta ao que as pessoas querem e dar oportunidade para que todas tenham lugar para opinar sobre um projeto.

Admite, entretanto, que uma cultura forte é difícil de se manter por meio de conferências. “Mais 150 pessoas começaram a trabalhar na agência sem nunca terem pisado na agência. Que tipo de cultura é essa? É difícil reter talento quando não há possibilidade de a pessoa vivenciar a cultura”, avalia. O escritório da Almap hoje tem capacidade para abrigar 60% do time e as jornadas devem seguir sob o modelo híbrido.

Diversidade e inclusão
O CEO acredita que o mercado publicitário sempre foi auto centrado, mas agora está consciente sobre a obrigação de cuidar melhor dos talentos. Hoje, 70% dos funcionários da empresa se autodeclaram brancas ante 80% no ano passado. De 19% de pessoas LGBTQIA+, a agência passou a 27%. “Estamos longe do censo, mas a gente tem colocado bastante energia em programas de diversidade e inclusão. Obviamente falta muito para chegar a um lugar ótimo”, afirma.

Hoje, a agência tem programas como a Sala Almap, que é voltado a inclusão de pessoas de comunidades periféricas. Também firmou parceria com a Nhaí, agência fundada por Raquel Virgínia, para estimular a criar projetos e trabalhos que abordem temáticas raciais e de gênero.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Enterogermina reforça cuidado com saúde intestinal em Renascer

    Enterogermina reforça cuidado com saúde intestinal em Renascer

    Estratégia de marketing da marca de Consumer Healthcare da Sanofi, cocriada com a Globo e a agência WMcCann, envolve um novo modelo de merchandising

  • Cif aproveita BBB para reforçar mensagem sobre limpeza

    Cif aproveita BBB para reforçar mensagem sobre limpeza

    Marca usa estreia no reality show, com festa patrocinada, para promover campanha destacando as propriedades dos produtos