JWT investe em branded content

Buscar
Publicidade

Comunicação

JWT investe em branded content

Eduardo Camargo e André Passamani se associam à rede e formam a butique Mutato seis meses após deixar a Colmeia


8 de outubro de 2012 - 12h38

Mutato, “mudança” em latim, é o nome da nova agência da rede JWT no Brasil, em sociedade com Eduardo Camargo, o CEO, e André Passamani, COO. Com foco em branded content e engajamento em mídias sociais, a empresa será a quarta da rede — ao lado de JWT, Agência Casa e i-Cherry.

Camargo e Passamani entram no novo negócio seis meses após o fim da sociedade na Colmeia, agência que ajudaram a fundar em 2007. Eles eram minoritários na companhia controlada pelo Grupo Ink.

Desde que saíram, evoluíram a ideia de uma empresa que pensasse em trabalhos de conteúdo proprietário, vendidos diretamente aos anunciantes. “É um negócio para o qual todo mundo estará olhando em cinco ou dez anos”, prevê Passamani. “Nossa intenção é transformar o comportamento dos clientes e viabilizar projetos ousados. Para isso, precisávamos de um alicerce forte como o que a JWT oferece”, completa Camargo.

Stefano Zunino, chairman e CEO do grupo JWT no Brasil e membro do board global da rede, enxerga similaridades na criação da Mutato com a Santo de Buenos Aires, que fundou com Maxi Anselmo. “A agência surge da mesma forma: como uma startup que tem o WPP como sócio”, salienta Zunino.

O surgimento da Mutato é o desdobramento indireto de uma história iniciada com a Colmeia em 2007, quando Camargo, Passamani e José Kazi investiram em projetos de novas mídias e formatos não convencionais. Entre outros exemplos, a produtora criou uma rede social proprietária da Natura para suas consultoras; e o advergame T-Racer, desenvolvido em parceria com a AgênciaClick Isobar para a Fiat. Em 2011, eles passaram a adotar a estrutura de agência — o que gerou desconforto dentro do Grupo Ink e viria a motivar a saída dos sócios.

Mercado em formação
A Mutato se divide em três áreas: ­influência (que corresponde à mídia espontânea e própria), diálogo (responsável por produzir conteúdo e manter a relação entre marca e público) e concept (setor análogo ao planejamento). Com 20 funcionários, a agência já tem Google e Coca-Cola em sua carteira. Para o segundo, cuida das mídias sociais de Coca-Cola, Coca-Cola Zero, Fanta e Sprite, além de uma nova marca, ainda a ser lançada.

A sociedade atende também a um desejo da JWT em fincar bases em branded content. “O que queremos fazer é institucionalizar esse tipo de conteúdo no grupo. O trabalho estratégico com os clientes deve ser contínuo”, conta Zunino.

O mercado no qual a Mutato se embrenha é disputado por agências com DNAs diferentes. Algumas são: a LiveAD — cujo nascedouro é o mercado de pesquisas; a digital CuboCC; e a Espalhe, originada de relações públicas. Agora, o segmento de branded content ganha um player com a produção na gênese.

Para Camargo e Passamani, porém, produtoras que possuem abertos segmentos focados em novas mídias e conteúdo proprietário — a Spray Filmes e a Conspiração, por exemplo —, não são concorrentes. A intenção é contratá-las como parceiras. “Teremos o charme de butique e a mão na massa de uma produtora”, define Camargo.  

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Enterogermina reforça cuidado com saúde intestinal em Renascer

    Enterogermina reforça cuidado com saúde intestinal em Renascer

    Estratégia de marketing da marca de Consumer Healthcare da Sanofi, cocriada com a Globo e a agência WMcCann, envolve um novo modelo de merchandising

  • Cif aproveita BBB para reforçar mensagem sobre limpeza

    Cif aproveita BBB para reforçar mensagem sobre limpeza

    Marca usa estreia no reality show, com festa patrocinada, para promover campanha destacando as propriedades dos produtos