SBT se posiciona sobre opinião de jornalista

Buscar

Mídia

Publicidade

SBT se posiciona sobre opinião de jornalista

Emissora utilizou telejornal para se isentar do polêmico comentário de Rachel Sheherazade


7 de fevereiro de 2014 - 8h51

A opinião da jornalista Rachel Sheherazade, âncora do telejornal SBT Brasil, do SBT, sobre o caso do garoto preso ao poste no Rio de Janeiro e a campanha “adote um bandido”, incentivada pela profissional, foram as principais discussões na web nesta semana.

Para tentar conter os ânimos, na noite de quinta-feira, 7, a emissora utilizou o mesmo telejornal em que Rachel afirmou que a atitude dos que amarraram o adolescente era compreensível e que o contra-ataque era legítima defesa coletiva para explicar a atitude da jornalista e se eximir do comentário feito pela profissional.

O companheiro de bancada da jornalista, Joseval Peixoto, iniciou a conversa com Rachel, que disse estar do lado do bem e que jamais defenderia a violência. “O que fiz não foi defender a atitude dos justiceiros… não se pode confundir o direito de se defender com a barbárie, a violência pela violência”, explicou.

Peixoto aproveitou o espaço para explicar que as opiniões proferidas pelos jornalistas não representam a visão da emissora. Quando um veículo quer se posicionar, utiliza o editorial. O jornalista também disse que o SBT defende a liberdade de expressão.

Assista ao vídeo da retratação abaixo:
 

wraps

E o comentário que gerou a repercussão na web

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”