União familiar: o trunfo das novelas do SBT

Buscar

Mídia

Publicidade

União familiar: o trunfo das novelas do SBT

Cinco anos depois de ter ingressado na estratégia de tramas infanto-juvenis, emissora vê evolução do gênero e prepara primeira obra independente de textos mexicanos

Bárbara Sacchitiello
11 de julho de 2017 - 12h33

Carinha de Anjo é exibida atualmente pela emissora (Crédito: Divulgação/SBT)

Há pouco mais de cinco anos, o SBT estreava um remake que abriria a portas para a consolidação de um pilar de dramaturgia que, a partir de então, seria um dos maiores trunfos comerciais e de conteúdo da emissora. Desde a estreia de Carrossel, em maio de 2012,  a estratégia de produzir novelas voltadas para crianças – e, consequentemente, para seus pais – foi alcançando patamares cada vez mais importantes nas estratégias da casa.

“Trabalhar com crianças exige muita atenção e cuidado, porém a felicidade em assistir à evolução  pessoal deles é emocionante. Nossos resultados têm sido constantes, com um público fiel na TV e com crescimento orgânico nas plataformas digitais”, resume Fernando Pelégio, diretor de planejamento artístico e de criação visual do SBT.

Embora tenha a fama de produzir novelas para crianças e jovens, o diretor do SBT refuta a ideia de que a dramaturgia da emissora tenha apenas esse público como alvo. “Não fazemos dramaturgia infantil. Trabalhamos com crianças, mas o target é familiar, uma vez que mais de 75% da audiência das novelas é composta por pessoas acima dos 18 anos de idade”, pontua Pelégio.

Esse target “familiar”, como a emissora classifica, é o que norteia as estratégias comerciais do SBT no âmbito na dramaturgia. Tanto em “Carrossel”, como e “Chiquititas”, “Cúmplices de um Resgate” e a atual “Carinha de Anjo” – além da série “Patrulha Salvadora”, a emissora conseguiu atrair anunciantes e marcas que sabem que o conteúdo infantil é uma importante oportunidade de passar mensagens também para os adultos. Foi com “Carrossel”, inclusive, que o SBT começou uma importante retomada de prestígio junto ao mercado ao publicitário, impulsionada pelo incremento de audiência que a faixa de dramaturgia trouxe aos demais horários e ao sucesso de vendas dos produtos licenciados, inspirados nas tramas.

 

Em “Carinha de Anjo”, estratégias comerciais aparecem na novela e nos desdobramentos da trama no universo digital (Crédito: Reprodução/SBT)

Esse segmento dos licenciados, inclusive, tornou-se uma importante receita para a emissora. Apenas com “Cúmplices de um Resgate”, o SBT conseguiu licenciar mais de 100 produtos, totalizando mais de 7 milhões de unidades vendidas. A trama também deu origem a um musical – algo que também aconteceu com Carrossel.

Situações familiares

Na opinião de Pelégio, o principal feito desses cinco anos de dramaturgia infanto-juvenil da emissora é o fato de ter conseguido reunir as famílias em torno da TV. “É gratificante saber que uma TV sintonizada no SBT é uma forma de unir a família, que em tempos de smartphones, tablets e computadores, haja um elemento que traga todos para um único cômodo da casa e que sirva de informação para conversas entre eles”, diz o diretor. O profissional também ressalta que o segredo do sucesso dos textos – todos adaptações de tramas mexicanas e escritos por Iris Abravanel, Rita Valente e Leonor Correa – se dá ao fato de eles apresentaram situações bem próximas do cotidiano. “As autoras têm sido muito felizes em expor uma situação que pode acontecer na minha ou sua casa e apresentar a solução de maneira correta e ética. São novelas que entretém e que passam mensagens importantes ao público”, diz.

Questionado sobre a evolução das novelas, Pelégio aponta que o incremento visual das tramas é a principal marca desses cinco anos de dramaturgia infanto-juvenil. “Não acho que tenha uma evolução técnica gritante, mas o que houve foi a diversificação do visual. Não repetimos padrões técnicos. Isso nos dá uma sensação de evolução, quando na realidade apenas inovamos visualmente, com elementos atuais”, conta.

Poliana

 

Elenco da nova novela “As Aventuras de Poliana”, apresentado pelo SBT na semana passada (Crédito: Divulgação)

Se até então a emissora contou com o respaldo dos textos mexicanos para, a partir daí, criar as versões nacionais das novelas, o próximo desafio será diferente. O SBT já trabalha com o texto e elenco de “As

Aventuras de Poliana”, trama inspirada no famoso livro “Pollyana”, de Eleanor H. Porter. A novela está sendo escrita por Íris Abravanel e substituirá “Carinha de Anjo”. A previsão de estreia é para o início de 2018.

“Será inspirada no livro, mas com o acréscimo de vários núcleos e trazida ao tempo de hoje. Dona Íris Abravanel está reservando muitas surpresas agradáveis para nós”, conta Pelégio, sem esconder a expectativa da emissora em relação à nova trama. “Acho que será a novela de maior sucesso do SBT. Tem todos os ingredientes necessários”, aposta.

Publicidade

Compartilhe