Pressão de patrocinadores faz Vogue adiar Baile

Buscar

Mídia

Publicidade

Pressão de patrocinadores faz Vogue adiar Baile

Tradicional festa de carnaval da revista estava marcada para dia 21 de fevereiro e será repensada após polêmica envolvendo a ex-diretora de estilo, Donata Meirelles

Bárbara Sacchitiello
15 de fevereiro de 2019 - 15h53

Sabrina Sato, Marina Ruy Barbosa e Juliana Paes na edição do Baile da Vogue de 2018 (Crédito: Reprodução)

A 15ª edição do tradicional Baile de carnaval da Vogue está adiada. A decisão foi tomada pela editora Globo Condé Nast após o desconforto manifestado pelos patrocinadores em relação aos acontecimentos recentes envolvendo a ex-editora da publicação, Donata Meirelles, que pediu demissão da revista nesta semana.

O evento, que estava marcado para o próximo dia 21, acabou impactado pela polêmica envolvendo Donata Meirelles, que recebeu muitas críticas por conta do receptivo e da decoração de sua festa de aniversário, realizada em Salvador no último fim de semana. Muitas pessoas apontaram que a vestimenta das recepcionistas e o posicionamento delas nas fotos com os convidados fariam referência ao período colonial brasileiro e à escravidão.

Embora o acontecimento tenha ligação à vida pessoal de Donata, o nome da Vogue acabou em meio às críticas por conta da posição profissional da executiva. E, como o caso ocorreu às vésperas do principal evento da publicação no ano – o Baile de carnaval – as marcas que já estavam confirmadas no evento demonstraram incômodo ao ter sua imagem vinculada à revista neste momento conturbado. A edição de 2019 do Baile da Vogue contava com patrocínio master da Pantene e também outros patrocínios de Diageo (Johnnie Walker), Magnum, Elma Chips Sensações (PepsiCo), BMW, Café Orfeu, Cartões Elo, Coca-Cola, Iorane e Le Lis Blanc.

De acordo com apuração da reportagem, a Globo Condé Nast passou os últimos dias discutindo com os patrocinadores a respeito do evento. As empresas patrocinadoras preocuparam-se em ter sua imagem vinculada ao Baile da Vogue no momento em que a revista está no centro de tantas críticas. Informações de bastidores já indicavam, ao longo da semana, que algumas dessas marcas estavam decididas a deixar o evento, sobretudo aquelas que trabalham as plataformas de representatividade e diversidade em sua comunicação.

Em uma comunicado a que a reportagem teve acesso, assinado por Daniela Falcão e enviado aos patrocinadores da festa, a revista ainda tentava segurar a presença dos parceiros comerciais, prometendo, inclusive, reformular o Baile, transformando-o em um plataforma de democratização e inclusão no ambiente da moda. Veja:

Desde que passou a ser vítima de ataques nas redes sociais por conta da polêmica envolvendo a festa de aniversário de sua diretora de estilo, Donata Meirelles, a Vogue procurou se aproximar de ativistas e filósofos negros para entender como poderia transformar a revista em um espaço de conciliação e transformação, contribuindo para uma maior democratização e inclusão social no ambiente da moda. Das inúmeras sugestões que estão sendo debatidas e analisadas, decidimos fazer do nosso mais importante evento, o Baile de Carnaval, a plataforma desta conciliação. Convidamos vozes ativas de movimentos sociais, filósofos, formadores de opinião e celebridades que têm um histórico de luta em prol de uma sociedade mais igualitária para dividirem o palco do Teatro Vogue com nossas principais atrações, reforçando a ideia de que “aqui todo mundo tem espaço para brilhar. Será um baile transformador e contamos com vocês para, juntos, fazermos essa revolução.”, dizia o comunicado, assinado por Daniela e enviado nessa quinta-feira, 14, aos patrocinadores do evento.

A tentativa, no entanto, não foi suficiente para conciliar as demandas das marcas e a Editora optou por adiar o evento. Em comunicado enviado na tarde desta sexta-feira, 15, a Globo Condé Nast confirma a decisão, comunicando o adiamento do evento para 23 de março. “Com o objetivo de transformar o Baile de Gala da Vogue numa plataforma de inclusão no universo da moda, a Vogue entende que precisa de tempo hábil para implementar ações importantes e garantir que o baile seja efetivamente um marco deste novo momento. Por conta disso, o baile será transferido para 23 de março, um sábado, num momento mais apropriado e fechando em grande estilo as festividades de Carnaval com apoio dos patrocinadores.”, diz a revista.

Antes do anúncio do adiamento da festa, a Vogue chegou a enviar comunicado à imprensa confirmando o evento para o dia 21 de fevereiro e garantindo que todos os patrocinadores estavam mantidos. Questionada pela reportagem, a assessoria da Globo Condé Nast não soube dar mais detalhes a respeito de como a marca pretende abordar a questão da democracia e inclusão na festa e quais serão as ações realizadas no evento.

O Baile da Vogue havia se tornado uma das plataformas mais lucrativas da companhia, além de ser um dos evento mais badalados da temporada pré-carnaval, por reunir grande quantidade de atores, atrizes, apresentadores, modelos e influenciadores. Para este ano, o tema do Baile – que aconteceria no Hotel Unique, em São Paulo – era “Opera D’Oro”, em homenagem aos grandes impérios da história, que usavam o ouro como adorno e cultuavam o metal. Em dezembro do ano passado, a Vogue divulgou comunicado à imprensa celebrando o acerto do patrocínio master da festa – que, pela primeira vez, foi adquirido pela Pantene, da P&G.

Polêmica e demissão
Logo que as críticas em relação às imagens de sua festa de aniversário começaram a ganhar as redes sociais, Donata Meirelles usou seu perfil pessoal no Instagram para responder a alguns comentários e se desculpar pelas impressões negativas causadas. No início da semana, a Vogue entrou diretamente no assunto e, também pelo Instagram, declarou que o debate gerado pelo episódio serviria como aprendizado para a criação de ações afirmativas e propositivas. Em relação às manifestações referentes à festa de 50 anos de Donata Meirelles, a Vogue Brasil lamenta profundamente o ocorrido e espera que o debate gerado sirva de aprendizado. Nós acreditamos em ações afirmativas e propositivas e também que a empatia é a melhor alternativa para a construção de uma sociedade mais justa, em que as desigualdades históricas do País sejam debatidas e enfrentadas. Em busca da evolução constante que sempre nos pautou, aproveitamos a reflexão gerada para ampliar as vozes dentro da equipe e criar, em caráter permanente, um fórum formado por ativistas e estudiosos que ajudarão a definir conteúdos e imagens que combatam essas desigualdades”, escreveu a revista, no Instagram. O mesmo texto foi compartilhado por Donata Meirelles.

No dia seguinte, a então diretora de estilo anunciou sua demissão. A Vogue, por comunicado, elogiou e agradeceu o trabalho desempenhado por Donata, declarando que respeitava sua decisão.

 

Publicidade

Compartilhe