Novas regras de segmentação impõem desafios aos anunciantes

Buscar
Publicidade

Mídia

Novas regras de segmentação impõem desafios aos anunciantes

Mudanças como as do Facebook, que impedirá alguns filtros de preferências dos usuários, ressaltam a importância de um trabalho consistente de first party data

Bárbara Sacchitiello
2 de dezembro de 2021 - 6h02

(Crédito: Pexels/Frederico Orlandi)

No mês passado, o Facebook anunciou, nos Estados Unidos, mais uma mudança em sua política de endereçamento de conteúdos publicitários. A plataforma pretende remover algumas segmentações detalhadas de seu gerenciador de anúncios, eliminando filtros que as pessoas possam considerar, de alguma forma, sensíveis.

Na prática, o Facebook não permitirá que os anunciantes segmentem seu público-alvo com base em sua conexão com causas, afiliação política, religião, orientação sexual ou questões de saúde. As mudanças, que começam a valer a partir de 19 de janeiro de 2022, foram detalhadas pelo vice-presidente de marketing de produtos de anúncios do Facebook, Graham Mudd, no blog oficial da empresa.

O cuidado maior com a segmentação – ou seja, com os filtros fornecidos para que os anunciantes possam ter a chance de atingir seu público-alvo com mais assertividade – tem dominado parte das preocupações das plataformas digitais. Ao mesmo tempo em que precisam se mostrar eficientes para a conversão dos negócios das marcas – e com isso, manter o faturamento publicitário – essas empresas também vêm tendo de se adequar às novas regras de privacidade e de distribuição de conteúdo.

Esse cenário traz novos desafios para as empresas se conectarem com seus clientes no ambiente digital. O mercado de publicidade e marketing já vem passando por mudanças significativas relacionadas à privacidade e consentimento de utilização de dados com fins de publicidade nos últimos tempos, como recorda Denis Fujito, gerente de produtos e serviços da DP6. A aplicação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), o fim dos cookies de terceiros no Chrome, anunciado pelo Google e a obrigatoriedade do consentimento para coleta de dados aplicada pela Apple são alguns exemplos citados por Fujito para exemplificar esse quadro de mudanças.

“Esse movimento do Facebook é mais uma questão dentre outras. Ou seja, todos esses movimentos têm dificultado o trabalho das marcas para atingir diretamente seu público-alvo. Por isso, tem se tornado obrigatório o movimento dos anunciantes de organizar, estruturar e utilizar seus próprios dados, ou dados first party, para não dependerem tanto das big techs de tecnologia e marketing”, diz.

Ainda que imponha aos anunciantes outras formas de impactar seu público-alvo, sem o uso de determinados filtros, a atitude do Facebook de ter mais cautela em relação à segmentação gera um impacto extremamente positivo na opinião de Marcelo Pincherle, vice-presidente de operações da GDB. Os usuários, segundo ele, vêm se informando cada vez mais sobre o altamente completo mundo da mídia digital, passando não só a compreender mais profundamente o significado de sua privacidade, mas também exigir que os anunciantes e plataformas enderecem estas questões de forma mais apropriada. “Aos anunciantes, é uma diretriz que fará com que a comunicação seja mais saudável e positiva, buscando outras formas de se relacionar com este público-alvo, menos apoiada no uso intensivo de dados pessoais e no comportamento do usuário, acionando outros gatilhos que não sejam tão sensíveis e, como consequência disso, melhor delimitando os espaços em que a marca será vista”, pontua.

Como segmentar?
Com menos possibilidades de definir o público-alvo e filtrá-lo de acordo com preferências, gostos e características específicas, os anunciantes e profissionais de marketing digital já vêm tendo de pensar em alternativas. Pincherle, da GDB, acredita que diversos anunciantes já descobriram que é possível fazer uma comunicação direcionada de forma muito eficiente com um uso mais inteligente de dados pessoais.

“Independente do gênero, etnia ou filiação política, é possível direcionar a comunicação através do conteúdo a ser consumido, do contexto relacionado, da interpretação de uma série de sinais contextuais que acabam preservando muito mais a privacidade do usuário, o não reforço a comportamentos questionáveis e, consequentemente, gerar impactos positivos que trarão excelentes retornos”, acredita.

Para descobrir alternativas em termos de segmentação é preciso que as empresas desenvolvam uma estrutura robusta de dados e tecnologias, que permitam o gerenciamento de todos os dados first party ou dados que sejam gerados e coletados pela própria empresa, segundo Fujito, da DP6. Dessa forma, segundo o profissional, ela conseguirá maior entendimento em relação às preferências de seus usuários e consumidores e poderá criar melhores estratégias de publicidade direcionada.

“Essa estrutura será o coração das ações de marketing, pois ela se integrará às outras tecnologias de marketing (Google Ads, Facebook, DSPs, sistemas de CRM, etc) e possibilitará esse trabalho de publicidade mais segmentado, respeitando as preferências de cada usuário e com menos dependência de agentes e tecnologias externas”, finaliza.

Publicidade

Compartilhe

Veja também